A Lava Jato, o combate à corrupção e a vontade de entrar para a história

A única forma de enfrentá-la é exigindo a obediência às leis

Qua, 19/06/19 - 03h00

A operação Lava Jato recuperou R$ 13,8 bilhões desviados dos cofres públicos brasileiros. Não há como fugir desse fato. O dinheiro resgatado pela força-tarefa não estava escondido debaixo de colchões ou cofrinhos de cabeceira de cama. Não era dinheiro de economia pessoal ou poupança dos envolvidos. Eram bilhões de reais desviados do bolso do brasileiro que estavam escondidos em contas no exterior, em paredes e em malas dos investigados. Nenhuma outra operação antes, na história do Brasil, conseguiu ir tão fundo e tão longe no cerco e na punição aos corruptos.

Combater a corrupção, no entanto, não é uma tarefa fácil, por um motivo muito simples: o corrupto sempre jogou e sempre vai jogar sujo em tudo que fizer na vida – quanto mais para poder escapar da prisão. Eu, que nos meus dez anos de vida pública já denunciei alguns casos “cabeludos” de desvio de dinheiro público, pude ver em primeira pessoa como os sistemas político e jurídico se organizam contra quem enfrenta a corrupção. Posso até dizer que isso é algo programado em alguns desde a escola.

Imagine uma sala onde vários alunos estejam fazendo uma prova. De repente, um deles se levanta e começa a denunciar os colegas ao lado que estão colando na prova. Você já foi criança e sabe que não são poucos os alunos que colam. Esse estudante sai denunciando um por um, em voz alta, à professora. Você consegue imaginar o futuro dessa criança na escola? Acha que ela será aclamada e carregada nos braços pelos coleguinhas? Não. Ao contrário, posso dizer que um ato desses seria recebido com imensa hostilidade pelos outros alunos. Até mesmo por alguns dos que não estavam colando, penso eu.

Para Moro e Dallagnol, enfrentar todo um aparato de corrupção encontrado no Brasil não deve ter sido muito diferente. Sim, os dois foram aclamados por uma imensa parte da população, mas isso não evitou as intensas articulações, perseguições e pressões de bastidores contra ambos. O mecanismo luta de volta quando se vê ameaçado. Sempre foi e sempre será assim.

Eu consigo entender como poderia acontecer uma aproximação do juiz e dos promotores em meio a tantas tensões e pressões desses julgamentos. Para muita gente no Brasil, a Lava Jato era (e ainda é) mais um golpe contra o PT do que contra a corrupção em si. O clima de guerra cria polos. A polarização coloca como aliadas pessoas que nem sempre estariam juntas. Portanto, se o PT sempre foi contra Moro e a Lava Jato, não é difícil entender como o inverso não acabasse por ocorrer.

Acontece, amigos, que vivemos em um Estado democrático de direito. Para que ele exista, nenhum ser humano pode estar acima da lei. Esta, devo enfatizar, é a principal base para que uma democracia exista: a de que todos nós, incluindo nossos governantes e autoridades, devemos obedecer às leis.

Na minha concepção, Moro e Dallagnol se perderam durante a batalha que travaram para levar os investigados à prisão. Em algum ponto, o combate aos corruptos se tornou secundário à vontade de entrar para a história. Afinal, por maior que seja a Lava Jato, ela nunca teria metade do seu tamanho se não tivesse culminado na prisão do ex-presidente Lula.

Os vazamentos do The Intercept só deixam absurdamente claro algo que, antes, só tinham certeza os que leram por completo a sentença condenatória do ex-presidente: nunca houve ali nenhum pingo de imparcialidade ou amor às provas e ao devido processo.

Não importa aqui o que você acha do ex-presidente ou o quanto goste de vê-lo atrás das grades. Se você é contra a corrupção, realmente contra a corrupção, então você entende que a única forma de combatê-la é exigindo a estrita obediência às leis. Caso contrário, você é só parte do clubinho que acha ok ignorar as leis quando seus interesses estiverem sendo atendidos – o que, aliás, é a definição de uma pessoa corrupta.

(14) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
othoniel 3:08 PM Jun 22, 2019
Nestor: estou começando a ficar preocupado com os políticos que o senhor apóia. Coitadinhos. Se nosso Brasil virar um país sério, não será necessário CONLUIO DE JUÍZES E PROMOTORES para condená-los. Havendo um julgamento correto, com provas concretas, e sentença proferida e confirmada por magistrados neutros dar-me-á condições de dizer que eles são realmente criminosos. E, a propósito, cadê o Queiroz?
1
Denunciar

othoniel 3:01 PM Jun 22, 2019
Nestor: nota-se que o senhor continua muito preocupado com o Lula. O ódio faz a pessoa olhar para um lado só. O outro lado é perfeito. Os crimes que vieram à tona, desse outro lado não são crimes. Ou, então, se houve erro, os fins justificam os meios. O senhor faz questão de ver assim. O mundo inteiro sabe que Lula foi condenado por um inimigo. Quem não é ingênuo sabe que Moro não é o único juiz inimigo do Lula. Além disso, há um certo corporativismo. Enquanto isso a corrupção continua solta.
0
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 9:16 PM Jun 20, 2019
Lula recorreu a todos os tribunais possíveis e não foi absolvido por nenhum deles. Apelou até para a ONU, sem sucesso. Agora busca o submundo tenebroso do crime de invasão e adulteração de conversas telefônicas. Será que ele está certo e toda a justiça, em todos os níveis, estaria errada? Caro Othoniel, fica muito difícil engolir uma coisa dessas. Confesso que não consigo.
5
Denunciar

othoniel 10:02 AM Jun 20, 2019
Nestor: o senhor vê como ação orquestrada a denúncia de que juiz e promotores escolhem quem eles querem condenar. Eu penso que o judiciário deveria tratar, com igualdade, todos os suspeitos de serem criminosos. A imparcialidade passou longe da lava-jato. Só não vê quem não que.
1
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 9:34 PM Jun 19, 2019
Lucas, o último parágrafo generaliza o que não pode ser generalizado. Isso é o que se aprende nos treinamentos gerenciais. O bom gestor nem sempre se prende a normas quando situações exijam medidas excepcionais para o bem do conjunto. Essa é a diferença entre o robô e o ser pensante. Os exemplos que citei caracterizam tais situações especiais que exigem ações especiais. Decisões de risco, mas necessárias e justificáveis.
6
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 9:21 PM Jun 19, 2019
Othoniel, pelo jeito você não se coloca entre os ignorantes. Assim, já teria percebido a ação orquestrada pelos condenados e/ou a caminho da condenação contra a Lava Jato. Estava demorando em isso ocorrer. Moro demonstrou no depoimento de hoje, com dados estatísticos, que não houve conluio nem falcatrua nos processos de julgamento e condenação. Algumas confirmadas em instâncias superiores. No homicídio a culpa é do assassino ou de quem encontra o cadáver?
6
Denunciar

othoniel 7:37 PM Jun 19, 2019
Acusadores e condenadores que fazem falcatrua para conseguirem o intento, são tão corruptos quanto os condenados por eles. Quando o conluio é exagerado e conseguem prejudicar inocentes, os únicos criminosos são os articuladores da condenação. Se a instância superior não corrige essa discrepância, esses meliantes ficam posando de bons mocinhos. Para piorar, têm quem aprova esse tipo de conduta. Uns por ignorância, outros por falta de inteligência e, muitos, por má fé mesmo.
1
Denunciar

Raimundo Lima 4:25 PM Jun 19, 2019
A corrupção é uma matéria do tempo das escolas infantis daqueles que colam a prova para se safar e essa malícia leva para a VIDA adulta e transformam essa arte manha num prato cheio para sua guloseima insana pelo dinheiro e poder.Como disse uma mãe que viu seu filho minado detrás de uma cela e bravejou" meu filho é uma pessoa boa o defeito dele é gostar de dinheiro", coisa de mãe. A corrupção não deixam os horizontes seres alcançados por jovens e adultos honestos que almejam uma VIDA digna.Amém.
0
Denunciar

Lucas 3:39 PM Jun 19, 2019
O interessante é ver comentarista comprovando exatamente o que está escrito no último parágrafo.
1
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 12:26 PM Jun 19, 2019
Sou comandante. Não posso ordenar o bombeiro que enfrente incêndio arriscado. Afinal, estamos numa democracia. Sou diretor. A produção deste mês irá para o buraco. Há uma norma impedindo a ação reversiva que eu deveria tomar. Que se dane a produção e salve a norma. Meu filho caiu no vale dos leões. Não há como tentar salvá-lo. É proibido saltar o gradil. Caso eu infrinja a regra e salve meu filho, alguns dirão que meu objetivo foi apenas o de ficar como herói na história. Misericórdia!...
7
Denunciar

othoniel 11:44 AM Jun 19, 2019
Esse elemento conseguirá entrar para a história, sim. Hitler e vários outros inescrupulosos conseguiram. Por que ele não conseguiria?
2
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 9:00 AM Jun 19, 2019
Em que pesem todas essas ponderações, aliás, procedentes, o ex-presidente foi julgado e condenado por 19 juízes de vários tribunais até mesmo superiores de justiça. Portanto, ele é criminoso e deveria ir para a cadeia o quanto antes e por lá permanecer para o resto de seus dias. Figura abominável que traiu a pátria levando-a a falência.
6
Denunciar

Esteves 8:57 AM Jun 19, 2019
Esse ultimo paragrafo foi exemplo de Jornalismo muito bem feito. Nao vou citar nome, mas teve uma Radio que o Programa de Humor saiu do Ar na Tv e agora fazem entrevista com transmissao no Youtube. Que vergonha Alheia a Forma hostil que Entrevistaram Glenn e ainda ficavam rindo imitando a forma do cara falar. Quero ver um deles ir pros Estados Unidos e falar o idioma local tao bem quanto Glenn.
3
Denunciar

Esteves 5:49 AM Jun 19, 2019
Muito bom texto.
2
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Iran Barbosa
Iran Barbosa
Iran Barbosa
Iran Barbosa
Iran Barbosa
Iran Barbosa
Há mais funcionários públicos que em qualquer setor produtivo
Será a primeira vez na história que o povo não será ouvido