Há que se dizer que ainda há muito espaço para melhorar

Seis meses de governo Zema: um balanço de erros e acertos

O perfil empresarial do novo governo tem sido fundamental para a estabilidade econômica do Estado e a atração de confiança do investidor

Qua, 05/06/19 - 03h00

Ao final deste mês, Romeu Zema completará seis meses no comando do nosso Estado. Em meio a um país estagnado economicamente e em clara divisão político-ideológica, chegará aos 180 dias com críticas e elogios em diversas áreas e setores, motivo pelo qual decidi fazer um balanço dos principais erros e acertos do Executivo estadual até aqui.

Comecemos pelos erros. Eleito de forma avassaladora em 2018, Zema (e o Novo à sua volta) falhou em entender o espírito do eleitorado que o alçou ao posto atual, num ato muito mais motivado por aversão a PT e PSDB do que por qualquer programa ou proposta de sua campanha.

Sem perceber que a grande maioria dos políticos de Minas estava fora da estrutura PT/Aécio, se sentiu obrigado a aproximar-se do segundo grupo para obter governabilidade, o que até agora não conseguiu com sucesso.

Também surpreendeu ao não conseguir substituir os quadros petistas em grande parte das estatais mineiras. Afinal, escolher profissionais capacitados para o comando de empresas deveria ser o grande forte do Novo.

O resultado dessas falhas é a crença de que o Novo ganhou as eleições, mas foi o PSDB que ficou com o poder e o PT com os cargos.

Há também a questão das promessas de campanha. Disse que não iria viajar de jatinho – viajou. Disse que não ia receber salário – recebeu. Disse que não pagaria os secretários – pagou. Disse que colocar comissionado nas estatais para receber jetons era um absurdo – mudou de ideia.

A absoluta falta de priorização dos gastos em saúde também é um problema do novo governo (o mais grave). Coisas básicas, como material de consumo, não estão sendo adquiridas pela rede estadual.

A história mostra que esse comportamento traz danos exponenciais ao governo. Afinal, um diabético que não consegue acesso à insulina acaba por ter sua saúde deteriorada – causando ainda mais gastos no sistema com internações e tratamentos mais caros.

Por outro lado, Zema acertou também em várias áreas.

A criminalidade em Minas Gerais caiu até 33% no início de 2019. Nenhum mérito pode ser tirado do atual governador, que soube manter e privilegiar uma estrutura bem-organizada da PMMG.

Também são de se comemorar os mais de 26 mil empregos criados no Estado neste ano (segundo maior gerador do Brasil). Nesse sentido, o perfil empresarial do novo governo tem sido fundamental para a estabilidade econômica do Estado e a atração de confiança do investidor. Os empresários identificam alguém de diálogo fácil.

Outro ponto positivo do governo tem sido a gestão da crise da mineração. Agradou-me muito o perfil conservador e duro com que o meio ambiente estadual vem tratando a catástrofe, apertando a fiscalização em cima da Vale. É preciso dar destaque ao trabalho da Semad – um dos melhores das últimas décadas.

Por último, o grande acerto da gestão Zema vai para o programa de concessão de rodovias estaduais, que atrairá cerca de R$ 7 bilhões em investimentos para o Estado. Espero que mais iniciativas do tipo venham nessa direção nos próximos meses, pois, além de alavancar a economia estadual, aliviam o caixa estatal.

Em uma análise conclusiva, diria que o novo governador tem surpreendido as expectativas de início de ano, nas quais muitos apostavam contra seu governo. Há que se dizer, no entanto, que ainda há muito espaço para melhorar, principalmente para com aqueles que mais precisam do governo para, literalmente, sobreviver.

(6) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Maria Isabel Azevedo 5:57 PM Jun 16, 2019
Dá pra fazer Balanço? De quê? Só o povo que nada sabe...O que foi feito nesses 6 meses? Viagens...Algumas fotos deste senhor...Mas, atitude, nenhuma até agora...Emprego, investimento, recebimento, auditorias...Nada!
1
Denunciar

JOAO PAULO 5:02 PM Jun 05, 2019
6 meses de governo Zema e só consigo me lembrar de lambanças, demoagogias e várias viagens à EUROPA. Ta me saindo um belo governo de bosta esse!
11
Denunciar

PRONTO, FALEI 3:24 PM Jun 05, 2019
ACERTO???? QUAL?????
9
Denunciar

Esteves 2:58 PM Jun 05, 2019
0 a 10 considero Nota 3 Pro Governo e Assembleia nesses 6 Primeiros Meses. A Conta de Luz continua cara com 30% de ICMS e só vejo Noticias de Crise no Estado.
8
Denunciar

William (o anti PT) 9:57 AM Jun 05, 2019
Os impostos dos mineiros - ICMS das contas de luz e telefonia, IPVA, etc. - são destinados 180 % para abastecer os bolsos do funcionalismo e inativos. Assim não tem como o estado se desenvolver e oferecer serviços decentes à população.
1
Denunciar

William (o anti PT) 9:55 AM Jun 05, 2019
Há menos de 5 anos Portugal estava quebrado. A chamada Troica - União Européia, Banco Central Europeu e FMI - ofereceram um apoio financeiro em troca de uma série de ajustes duros. Cortaram-se aposentadorias, aumentou-se a idade para aposentar, diminuiu o tamanho da máquina do estado. Hoje, pouco tempo depois, Portugal está prosperando como nunca. Se o Zema não resolver partir para a "guerra" e cortar benefícios do funcionalismo e dos inativos continuaremos de mal a pior - até agora nada fez.
8
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Iran Barbosa
Há mais funcionários públicos que em qualquer setor produtivo
Será a primeira vez na história que o povo não será ouvido
Há que se dizer que ainda há muito espaço para melhorar
País tenta, de todas as formas, impedi-lo de produzir.