CICLONE REMAL

Ciclone deixa 10 mortos e 30 mil casas destruídas em Bangladesh

No auge da passagem do fenômeno, os ventos atingiram velocidades de até 111 quilômetros por hora

Por Agências
Publicado em 27 de maio de 2024 | 07:55 - Atualizado em 27 de maio de 2024 | 07:56
 
 
 

A passagem do ciclone Remal por Bangladesh deixou 10 mortos e destruiu mais de 30 mil casas, além de ter provocado danos em dezenas de milhares de residências, anunciaram as autoridades nesta segunda-feira (27/5).

"A maioria morreu esmagada pelo desabamento de casas ou muros", disse Showkat Ali, administrador do distrito de Barisal, onde sete pessoas perderam a vida. Três faleceram nos distritos vizinhos de Khulan e Chittagong.

Ao menos 800 mil pessoas abandonaram suas casas na região costeira do país, segundo as autoridades, e mais de 150 mil pessoas buscaram abrigo longe do mar na vizinha Índia.

No auge da passagem do ciclone, os ventos atingiram velocidades de até 111 quilômetros por hora, disse à reportagem Muhammad Abul Kalam Mallik, do Departamento Meteorológico de Bangladesh. O ciclone transformou-se numa tempestade na tarde de segunda-feira, mas os ventos e a chuva continuaram a atingir a costa.

No momento mais intenso da passagem do ciclone, os ventos alcançaram até 111 quilômetros por hora, informou à reportagem Muhammad Abul Kalam Mallik, do Departamento de Meteorologia de Bangladesh.

O ciclone foi rebaixado para tempestade nesta segunda-feira, mas os ventos e a chuva ainda afetam a costa.  Grande parte das zonas costeiras afetadas fica apenas um ou dois metros acima do nível do mar, o que representa grande risco de danos durante as tempestades.

Duas pessoas morreram no distrito de Khulan, afirmou o administrador do governo local, Helal Mahmud. "O ciclone danificou mais de 123 mil casas no distrito, incluindo 31 mil que ficaram completamente destruídas", disse.

Outra pessoa morreu em Chittagong, onde "mais de 40.000 pessoas permanecem em abrigos devido às chuvas torrenciais e aos fortes ventos", declarou à reportagem o administrador Tofael Islam.

Mais de 12,5 milhões de pessoas estavam sem energia elétrica em suas residências, informou Biswanath Sikder, engenheiro chefe da 'Bangladesh Rural Electrification Board', a maior empresa pública de distribuição de energia do país.

"O fornecimento de energia será retomado quando a situação relativa ao ciclone melhorar", disse. Na Índia, no estado de Bengala Ocidental, "o ciclone destruiu os telhados de centenas de casas e derrubou milhares de árvores e postes de energia elétrica", disse à reportagem o ministro chefe da região, Bankim Chandra Hazra.

Cientistas alertam que a mudança climática provoca mais tempestades, embora as mortes registradas em fenômenos meteorológicos tenham diminuído devido aos avanços nas previsões do tempo e no planejamento para evacuações de áreas afetadas. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!