crime

Brasileiros são presos na Espanha suspeitos de ligação com Estado Islâmico

Irmãos usavam plataformas de mensagem para apoiar ativamente grupo terrorista

Por Agência
Publicado em 28 de novembro de 2023 | 07:47
 
 
 

Dois irmãos de nacionalidade brasileira foram detidos em Estepona, no sul da Espanha, nesta segunda-feira (27), suspeitos de vinculação ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI). Eles foram levados a Madri e postos em prisão preventiva. De acordo com o Ministério do Interior espanhol, os dois, que não foram identificados, supostamente estariam "imersos em um processo de radicalização" e usavam plataformas de mensagem para apoiar ativamente o EI.

"Ambos consumiam e difundiam através de seus perfis na internet material de propaganda do Daesh [sigla do nome do grupo em árabe]. Em meio a esse material havia registros de atividades terroristas realizadas em outros lugares, manuais para confecção de explosivos e envenenamentos, cibersegurança e documentos que justificam a violência de atos suicidas", afirma o ministério, em nota.

A Guarda Civil espanhola teve a colaboração do FBI para detecção, identificação e prisão dos irmãos -o comunicado também menciona que a Polícia Federal brasileira participou da operação. O governo espanhol também afirma que foram encontrados, com a ajuda da Europol (Agência da União Europeia para Cooperação Policial), vínculos internacionais dos detidos com outras pessoas presas ou investigadas em países europeus por ligação com o Estado Islâmico e com outros grupos extremistas.

A Espanha tem histórico de atos terroristas jihadistas. Os últimos atentados de larga escala no país remontam a agosto de 2017 e ocorreram em Barcelona e no balneário de Cambrils, ambos na Catalunha. As ações, reivindicadas pelo EI, deixaram 16 mortos e 140 feridos. Três terroristas que sobreviveram foram condenados a oito, 46 e 53 anos de prisão.

Em 2004, ao menos 190 pessoas morreram e centenas ficaram feridas naquele que ficou marcado como o maior atentado no país. Dez explosões em quatro trens de Madri, na hora do rush, foram reivindicadas pela Al-Qaeda menos de três anos depois dos ataques às torres gêmeas em Nova York. (Folhapress) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!