Tensão

Buenos Aires tem panelaço e protestos durante pronunciamento de Milei

Primeiras medidas do presidente eleito da Argentina não estão agradando a população, que intensifica protestos

Por Agências
Publicado em 21 de dezembro de 2023 | 10:28
 
 
 

Buenos Aires teve panelaços na noite desta quarta-feira (20) durante e após pronunciamento do presidente argentino Javier Milei, que anunciou o "megadecreto" para recuperação econômica do país. Os protestos foram registrados em vários bairros da capital argentina. Além do panelaço, houve buzinaço. Após a fala do presidente, que durou 15 minutos, o movimento durou mais de meia hora.

O decreto estava previsto para ser anunciado nesta quinta-feira (21), às 12h. O governo decidiu adiar devido a protestos contra o líder argentino no centro de Buenos Aires. O pronunciamento foi feito por um vídeo gravado na Sala Branca da Casa Rosada. O líder argentino estava acompanhado de seus ministros.

MUDANÇAS FEITAS PELO GOVERNO

O "megadecreto" anunciado por Milei inclui a revogação de pelo menos 30 leis. Ao todo, o decreto tem 350 artigos que revogam leis e desregularizam a economia. "Argentinos, hoje é um dia histórico para o nosso país, depois de décadas de fracasso, empobrecimento e anomalias", disse o presidente argentino.

Entre as mudanças, Milei anunciou a revogação da Lei do Aluguel. O objetivo é descomplicar o mercado imobiliário. O pronunciamento foi feito por um vídeo gravado na Sala Branca da Casa Rosada. O líder argentino estava acompanhado pelos ministros. O presidente ainda revogou as leis regulam o abastecimento de produtos alimentícios e preços de produtos no comércio. Também determinou o fim da lei que impede privatizações e a preparação de estatais para serem vendidas ao setor privado.

Ele declarou que acabará com os limites às exportações. O novo presidente também afirmou que autorizará medidas para afrouxar as regulamentações, à medida que seu novo governo combate uma grave crise econômica.

Javier Milei prometeu atacar as causas do déficit fiscal. Disse ainda que vai colocar a Argentina no caminho para voltar a ser uma "potência mundial". "Estamos fazendo o máximo para tentar diminuir a crise que herdamos. Elaboramos um plano de estabilização de choque; uma política cambial e monetária que inclua o saneamento do Banco Central", declarou. (EDUARDA ESTEVES E AMANDA COTRIM/FOLHAPRESS)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!