Guerra

Chefe da Otan diz que não há alternativa senão ajudar Ucrânia a vencer a Rússia

“Não temos nenhuma alternativa. A alternativa de deixar o presidente russo (Vladimir Putin) ganhar é uma tragédia para a Ucrânia e é perigosa para nós, disse Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan

Por Agências
Publicado em 27 de novembro de 2023 | 15:30
 
 
 

Para os países ocidentais, não há “nenhuma alternativa” além de seguir apoiando a Ucrânia na guerra contra a Rússia, garantiu nesta segunda-feira (27) Jens Stoltenberg, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). “Nas guerras, muitas vezes, quando as pessoas se dão conta de que aquilo pode durar muito tempo, torna-se muito difícil”, afirmou Stoltenberg em entrevista na sede da Otan em Bruxelas.

“Não temos nenhuma alternativa. A alternativa de deixar o presidente [russo Vladimir Putin] ganhar é uma tragédia para a Ucrânia e é perigosa para nós”, acrescentou. O político norueguês faz essas declarações em um momento em que o mundo discute a continuidade do apoio internacional à Ucrânia. Os Estados Unidos já forneceram ao país europeu mais de 40 milhões de dólares (cerca de 196 milhões de reais) em ajuda de segurança desde a invasão russa, e se comprometeram a apoiar Kiev pelo tempo que for necessário.

Mas a oposição ao governo colocou em dúvida o futuro da ajuda americana. “Apesar das dificuldades, apesar da falta de progresso ou conquistas ou ganhos territoriais, devemos seguir apoiando a Ucrânia”, ressaltou Stoltenberg. “Temos a responsabilidade, como líderes políticos, mas também como cidadãos individuais em nossos países, de defender a Ucrânia”, insistiu.

Para o chefe da Otan, o presidente russo “não conseguiu o que queria”. “A guerra na Ucrânia é um grande erro estratégico e uma derrota para Putin”, disse.

A adesão da Ucrânia

O secretário-geral da aliança militar ocidental se recusou a especular sobre a possibilidade de a Ucrânia se tornar membro da Otan caso ceda parte de seu território ocupada para a Rússia. “Isso poderia ser interpretado como o início de algum tipo de negociação em nome da Ucrânia”, explicou Stoltenberg.

Segundo o ex-primeiro-ministro norueguês, cabe a Kiev decidir que tipo de condições está disposto a aceitar. “É nossa responsabilidade apoiar a Ucrânia e isso é exatamente o que estamos fazendo”, acrescentou. Espera-se que Stoltenberg deixe seu cargo em 2024, depois de uma década à frente da Otan, um período marcado pela desastrosa retirada do Afeganistão e o retorno de uma guerra em grande escala na Europa.

Como sucessos durante seu mandato, ele destacou o novo envio de tropas no flanco oriental da aliança, o aumento dos gastos em defesa e a aceitação de novos membros. Com relação à demorada adesão da Suécia à Otan, Stoltenberg afirmou que queria que a Turquia avançasse mais rápido no processo de ratificação.

Sobre um possível sucessor, elogiou o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, que está terminando seu mandato, como um “amigo e bom colega”. “É um político capaz com muita experiência como primeiro-ministro, mas não cabe a mim decidir quem será meu sucessor”, declarou. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!