Na conta da população

Governo argentino vai cobrar de manifestantes gastos com segurança

O valor da operação, da qual participaram a Polícia Federal, Polícia da Cidade de Buenos Aires, Polícia de Segurança Aeroportuária e Gendarmaria, foi estimado em US$ 72,7 mil no câmbio oficial

Por Agências
Publicado em 22 de dezembro de 2023 | 18:10
 
 
 
normal

Os manifestantes que participaram nesta semana da primeira passeata contra o governo de Javier Milei em Buenos Aires terão que pagar os gastos das forças de segurança durante o protesto, anunciou nesta sexta-feira (22) o porta-voz da Presidência, Manuel Adorni.

O valor da operação, da qual participaram a Polícia Federal, Polícia da Cidade de Buenos Aires, Polícia de Segurança Aeroportuária e Gendarmaria, foi estimado em US$ 72,7 mil no câmbio oficial (R$ 353 mil).

"Essa será a fatura que será repassada aos movimentos sociais”, que serão intimados “para que assumam esse gasto, que não corresponde aos cidadãos”, declarou Adorni.

Milhares de pessoas participaram no centro de Buenos Aires do primeiro protesto em que foi aplicado o Protocolo de Ordem Pública, que busca impedir o bloqueio de ruas. 

Manifestações de organizações sociais e outros grupos políticos são frequentes no centro de Buenos Aires, inclusive com acampamentos na Praça de Maio, em frente à sede presidencial, e na Avenida 9 de Julho, principal artéria da capital. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!