CRIME

Mãe é presa por tentar contratar assassino para matar o próprio filho de 3 anos

Ela foi encorajada por um amigo que a aconselhou a usar um serviço online alegando que 'a criança é um problema'

Por O Tempo
Publicado em 30 de agosto de 2023 | 16:53
 
 
 
normal

Uma mulher de 18 anos, identificada como Jazmin Paez, foi detida após tentar contratar um assassino profissional com o intuito de matar seu próprio filho de 3 anos. O incidente ocorreu em Miami e chamou a atenção pelo método utilizado pela jovem.

Paez acessou um site que, de maneira satírica, oferecia serviços de assassinato por encomenda. No entanto, a proprietária do site, Robert Innes, acionou as autoridades após acreditar que o pedido de Paez era genuíno, diferenciando-se das inúmeras paródias que o site costuma receber.

As investigações revelaram que Jazmin Paez enviou fotos de seu filho e detalhes precisos sobre a localização da criança para efetivar o ataque. O valor acordado para o crime foi de US$ 3.000. A polícia, ao confirmar que a solicitação partiu do computador de Paez, efetuou sua prisão em 18 de julho. A suspeita encontra-se detida na prisão de Miami-Dade.

Amigo também foi presa

Outro indivíduo envolvido no caso é Gamaliel Soza, amigo de Paez, que a teria encorajado a realizar a contratação para o crime, alegando que a criança era "um problema". Soza enfrenta acusações de conspiração para assassinato em primeiro grau e uso indevido de dispositivo de comunicação. A fiança dele foi estabelecida em US$ 15 mil, e ele foi proibido de manter contato com a criança de 3 anos e com qualquer pessoa menor de 18 anos sem supervisão.

As mensagens trocadas entre Paez e Soza revelaram perturbadoras discussões sobre o destino do menino. Em uma delas, Soza escreveu: "A criança é o problema, espero que você veja que tudo que eu sempre quis foi libertar você." A polícia também identificou conversas em que Paez mencionava possíveis métodos, como fazer com que o filho fosse "comido por ursos" na floresta ou tentar "afogá-lo na água".

O menino de 3 anos foi colocado sob a custódia de parentes, enquanto o Departamento de Crianças e Famílias da Flórida supervisiona o caso.

O proprietário do site que denunciou o caso, Robert Innes, expressou sua consternação com o incidente, enfatizando que a prevenção de um crime tão violento e a preservação da vida são aspectos cruciais. Ele afirmou: "É uma história muito triste, mas o fato de o site ter evitado um crime violento e salvo uma vida é o que torna tudo isso significativo. Pelo menos a criança estará em segurança”, afirmou. (Com informações de NY Post)

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!