Frio recorde

Megatempestade histórica provoca 20 mortes nos EUA e deixa milhões sem energia

Nevasca atinge praticamente todo o país e alguns Estados chegam a registrar 48 graus abaixo de zero; autoridades pede que moradores não saiam de casa

Por Agências
Publicado em 25 de dezembro de 2022 | 11:05
 
 
 

Uma tempestade de inverno acompanhada por temperaturas gélidas continua provocando grandes problemas no fim de semana de Natal nos Estados Unidos, onde provocou pelo menos 20 mortes e o cancelamento de milhares de voos.

O Serviço Nacional de Meteorologia (NWS, na sigla em inglês) alertou que o frio representa uma ameaça à vida e pediu aos moradores das regiões afetadas que permaneçam em casa. Na sexta-feira (23), os ventos gelados derrubaram a temperatura para 48 graus negativos.

A governadora do Estado de Nova York, Kathy Hochul, mobilizou a Guarda Nacional no condado de Erie e em Buffalo. 

A situação em Buffalo, na fronteira com o Canadá, é particularmente difícil. Um casal disse à AFP que, com as estradas intransitáveis, não pretendia fazer a viagem de apenas 10 minutos para visitar a família no Natal.

"No momento, conseguimos ver do outro lado da rua, mas à noite não conseguíamos ver além de nossa varanda", disse Rebecca Bortolin, 40.

Seu noivo, Ali Lawson, está com dores nas costas, mas não quer correr o risco de precisar dirigir até o hospital.

A tempestade classificada como "histórica" afeta o país desde quarta-feira (21). Os ventos polares provocam nevascas, especialmente na região dos Grandes Lagos. 

O NWS informou que a nevasca continuaria durante o dia de Natal, com uma "lenta moderação das temperaturas" apenas na segunda-feira (26).

Voos cancelados

No sábado, mais de 3.300 voos foram cancelados e mais 7.500 foram adiados, de acordo com o site FlightAware.com.

O secretário dos Transportes do governo federal, Pete Buttigieg, afirmou no sábado que a Administração Federal de Aviação "espera que as interrupções mais extremas tenham ficado para trás, à medida que as operações das companhias aéreas e dos aeroportos se recuperam gradualmente".

Muitos passageiros retidos em aeroportos de Atlanta, Chicago, Denver, Detroit e Nova York aguardavam um milagre de Natal para tentar chegar a seus destinos.

 20 mortes 

Até o momento, as autoridades confirmaram 20 mortes  provocadas pela tempestade.

Algumas mortes aconteceram nas rodovias. Em Ohio, quatro pessoas faleceram em acidentes relacionados com a tempestade. 

Cidades como Denver e Chicago abriram locais de refúgio para receber desabrigados e protegê-los do risco de hipotermia. 

A temperatura negativa pressionou o sistema de energia elétrica e milhões de pessoas ficaram sem luz em suas residências, de acordo com o site Poweroutage.us. 

A energia elétrica foi restabelecida em grande parte da região afetada no sábado (24) à noite, mas em algumas cidades os moradores foram orientados a reduzir o consumo.

Na manhã de domingo (25), quase 173 mil moradores estavam sem energia devido aos efeitos do frio extremo, de acordo com o Poweroutage.us. Os Estados mais afetados eram Maine, Nova York, Virgínia, New Hampshire e Pensilvânia.

Algumas cidades, em particular na Carolina do Norte, precisaram desativar temporariamente o sistema de energia devido à demanda de eletricidade, o que deixou as casas sem aquecimento.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!