Mobilização

Migrantes deixam sul do México e protestam contra incêndio mortal

Quarenta pessoas morreram em Ciudad Juárez em março; câmeras mostraram que autoridades não teriam agido para socorrer migrantes

Por Agências
Publicado em 23 de abril de 2023 | 14:11
 
 
 
normal

Cerca de 2.000 migrantes de várias nacionalidades saíram neste domingo (23) do Estado de Chiapas, no sul do México, rumo à Cidade do México, em protesto contra o incêndio que deixou 40 mortos em Ciudad Juárez na noite de 27 de março. 

"Hoje saímos denunciando simbolicamente um crime de Estado. Faltam 40 migrantes mortos que nada fizeram", disse o ativista Irineo Mújica, que liderou a caravana que partiu de um parque na cidade de Tapachula, em Chiapas. O grupo é formado principalmente por migrantes da América Central, Venezuela, Colômbia e Haiti. 

Segundo as autoridades mexicanas, o incêndio teve origem quando um migrante ateou fogo a um colchão da cela onde estava alojado com outros 67 homens, em meio a um protesto contra uma possível deportação.

Imagens de uma câmera de segurança mostraram que, uma vez que o incêndio começou, a imigração e o pessoal de segurança não fizeram nada para retirar os migrantes. Trinta e nove migrantes morreram no local, a maioria por asfixia, e mais um em um hospital.

No sábado, as autoridades concederam vistos humanitários a migrantes haitianos e africanos, permitindo que transitassem com segurança pelo país. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!