Vaticano

Papa diz que excluir imigrantes é repugnante, em recado a anti-imigração Meloni

O Papa afirma que exclusão de imigrantes é ato pecaminoso

Por Agências
Publicado em 09 de outubro de 2022 | 15:28
 
 
 

A poucos dias da provável posse da ultradireitista Giorgia Meloni como nova primeira-ministra da Itália, o papa Francisco defendeu os imigrantes de forma enfática neste domingo (9) e afirmou que a exclusão de pessoas é algo "escandaloso, repugnante e pecaminoso".
A declaração do líder da Igreja Católica vai na contramão da retórica adotada por Meloni durante a campanha eleitoral. Ela é líder do Irmãos da Itália, sigla vencedora da eleição no mês passado com bandeira nacionalista e propostas que incluem o bloqueio naval para conter a imigração e contra o que chama de "islamização da Europa".
As declarações do pontífice neste domingo, portanto, soam como um recado a Meloni, que deve assumir o posto de premiê ainda no final deste mês.

"A exclusão dos migrantes é escandalosa. De fato, a exclusão dos migrantes é criminosa. Faz com que morram na nossa frente", disse o papa na praça de São Pedro, no Vaticano, durante cerimônia de canonização de Giovanni Battista Scalabrini (1839-1905), que fundou duas congregações que tratavam dos imigrantes, e de Artémides Zatti (1880-1951), imigrante italiano que morou na Argentina.

"E hoje o Mediterrâneo é o maior cemitério do mundo", acrescentou, referindo-se a milhares de pessoas que se afogam tentando chegar à Europa. "A exclusão dos migrantes é repugnante, é pecaminosa. É criminoso não abrir as portas para os necessitados".
Sem mencionar a Itália, o papa Francisco disse que alguns imigrantes obrigados a volta para seus países de origem são colocados em "campos de concentração, onde são explorados e tratados como escravos". No passado, o pontífice disse que isso aconteceu na Líbia.

A Guerra da Ucrânia foi outro assunto comentado pelo papa na cerimônia. Ele pediu paz e disse que o mundo precisa aprender com a história, em referência às ameaças do uso de armas nucleares feitas no conflito.
O pontífice também orou pelas vítimas do que chamou de ato "louco de violência" na Tailândia, onde um policial expulso da corporação matou 36 pessoas, incluindo 24 crianças. O Vaticano informou que aproximadamente 50 mil fiéis participaram da missa deste domingo.

(FOLHAPRESS)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!