Mobilizações

Protesto contra nova presidente do Peru deixa dois mortos

Manifestantes exigem renúncia de Dina Boluarte, que assumiu o cargo após o Congresso aprovar o impeachment do antecessor, Pedro Castillo

Por Agências
Publicado em 11 de dezembro de 2022 | 21:47
 
 
 

Os protestos contra o novo governo do Peru deixaram neste domingo dois mortos e cinco feridos durante um confronto no interior do país. Foram registradas manifestações e a convocação de uma paralisação nacional exigindo a renúncia da presidente Dina Boluarte e novas eleições.

"Lamentamos o falecimento de duas pessoas já e vários feridos após os confrontos. Peço tranquilidade à população", disse o ministro, pouco depois de a polícia anunciar a morte de um manifestante. 

As mobilizações cresceram em cidades do norte e sul andinos pelo quarto dia, em rejeição ao Congresso e pedindo a libertação do ex-presidente esquerdista Pedro Castillo, destituído no último dia 7.

Milhares de pessoas se reuniram em Cajamarca, Arequipa, Tacna, Andahuaylas, Huancayo, Cusco e Puno, segundo imagens transmitidas por emissoras de TV locais. Em Andahuaylas, a polícia reportou um morto e cinco feridos, entre eles um policial, durante uma tentativa dos manifestantes de tomar o aeroporto da cidade.

Reforços do batalhão de choque chegariam a esse terminal para conter os milhares de manifestantes em Andahuaylas, localizada na região de Apurímac, cidade natal de Dina Boluarte. Pessoas atacavam com estilingues e pedras, enquanto as forças de segurança as repeliam com gás lacrimogêneo, segundo imagens divulgadas pela imprensa.

As instalações da delegacia de Huancabamba, em Apurímac, foram incendiadas, reportou a rádio RPP. Nessa mesma cidade, protestos haviam deixado 16 civis e quatro policiais feridos na véspera.


Paralisação por tempo indeterminado 

Sindicatos agrários e organizações camponesas e indígenas anunciaram uma paralisação por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira, somando-se aos pedidos de fechamento do Congresso, eleições antecipadas e uma nova Constituição, segundo comunicado da Frente Agrária e Rural do Peru. O coletivo também reivindica a "libertação imediata" de Castillo.

Em Lima, o partido esquerdista Peru Livre convocou uma manifestação para a tarde de hoje na Praça San Martín, epicentro das manifestações políticas no Peru. Lima sempre deu as costas a Castillo, enquanto as regiões andinas se identificaram com ele desde as eleições de 2021.

O Congresso, dominado pela direita, anunciou que iria se reunir nesta tarde para analisar a situação.

"Até agora, a presidente não foi clara sobre a grande questão: estamos em um governo de transição ou estamos diante de uma autoridade que pretende ficar até 2026?", disse à AFP a analista política Giovanna Peñaflor. "Ela deveria ter claro que seu papel é facilitar as novas eleições gerais, e que esse é o caminho que irá augurar que ela tenha alguma estabilidade que permita que o gabinete atual não seja como os anteriores e acabe sendo relegado." (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!