Tragédias

Relembre nove mortes misteriosas na Rússia desde que Putin invadiu a Ucrânia

Desde o início da Guerra da Ucrânia, em fevereiro de 2022, vários generais, empresários e opositores russos morreram em circunstâncias suspeitas ou misteriosas

Por Agências
Publicado em 16 de fevereiro de 2024 | 10:03
 
 
 

Mais conhecido crítico do governo de Vladimir Putin, o líder opositor russo Alexei Navalni, 47, morreu em uma cadeia na remota região de Yamalo-Nenets, no Ártico. Ele cumpria 30 anos de pena por condenações diversas. A causa da morte não foi divulgada.

Desde o início da Guerra da Ucrânia, em fevereiro de 2022, vários generais, empresários e opositores russos morreram em circunstâncias suspeitas ou misteriosas. As mortes são atribuídas a doenças, suicídios ou acidentes, mas, segundo analistas, podem ser assassinatos disfarçados. Relembre alguns casos a seguir.

Navalni é um homem branco e veste roupas de frio. Na imagem, ele está atrás de grades e segura uma das barras de ferro da cela.

ALEXEI NAVALNI, 47

O líder opositor russo Alexei Navalni, 47, morreu em uma cadeia na remota região de Yamalo-Nenets, no Ártico. Ele cumpria 30 anos de pena por condenações diversas. A morte foi anunciada pelo Serviço Federal Prisional da Rússia, e as causas não tinham sido reveladas até a manhã desta sexta (16).

Ao longo de sua detenção, Navalni fez greves de fome e teve uma deterioração acentuada de suas condições de saúde, o que seus advogados creditavam aos períodos de isolamento em solitárias, má nutrição e tortura psicológica.

Mais conhecido crítico do governo de Vladimir Putin, Navalni surgiu na vida pública russa nos protestos de 2012 contra a segunda das três reeleições do presidente, que chegou ao poder em 1999 como primeiro-ministro. Mas foi em 2018 que ele ganhou real notoriedade, ao liderar protestos organizados pela internet em todo o país primeiro contra autoridades do governo, depois contra Putin.

GENNADI LOPIREV, 69

O general russo que chefiou a construção de um palácio avaliado em R$ 6,3 bilhões atribuído a Vladimir Putin foi encontrado morto na prisão a poucos dias de entrar com um pedido de liberdade condicional, segundo o tabloide britânico The Sun.

De acordo com o Serviço de Proteção Federal, o militar supervisionou o projeto do palácio Gelendzhik, supostamente construído com dinheiro público para uso pessoal do presidente russo. Lopirev foi condenado a dez anos de cadeia em 2017 por recebimento de propina e porte ilegal de munição —acusações que ele sempre negou. Antes de ser preso, ele era considerado próximo de Putin.

O militar apresentou dificuldades respiratórias no último dia 14, e médicos que o atenderam disseram que ele tinha leucemia, doença que não havia sido diagnosticada até então. O Sun aponta suspeitas de que ele tenha sido envenenado.

PAVEL ANTOV, 65

O magnata russo Pavel Antov, dono de uma empresa do ramo de suínos, foi encontrado morto em um hotel na Índia dois dias após a morte de um amigo na mesma viagem, em dezembro passado.

Figura conhecida na cidade Vladimir, a leste de Moscou, Antov negou no ano passado ter criticado a invasão da Rússia à Ucrânia após viralizar a imagem de uma mensagem em um aplicativo atribuída a ele condenando a ofensiva. "É extremamente difícil chamar tudo isso de outra coisa senão terror", dizia a mensagem, que foi apagada, sobre um ataque russo a Kiev.

Relatos na mídia russa disseram que Antov caiu de uma janela do hotel na cidade de Rayagada. Vladimir Budanov, amigo do magnata, morreu após sofrer um derrame dias antes no mesmo estabelecimento, segundo autoridades.

RAVIL MAGANOV, 67

Ravil Maganov, presidente do conselho de administração da gigante russa de petróleo e gás Lukoil, morreu após cair da janela do sexto andar de um hospital em Moscou, segundo publicações feitas em setembro do ano passado pelas agências de notícias estatais RIA Novosti e Tass.

A petroleira confirmou a morte do executivo, mas disse que foi em decorrência de uma "grave doença", sem revelar detalhes. A segunda maior empresa de petróleo da Rússia chamou a atenção em março de 2022 após ser uma das poucas companhias do país a se manifestar contra a ofensiva na Ucrânia.

IVAN PETCHORIN, 39

O diretor da Corporação para o Desenvolvimento do Extremo Oriente e do Ártico da Rússia foi encontrado morto, também em setembro de 2022, após cair de um barco em movimento. O suposto acidente ocorreu no mar do Japão, próximo à fronteira entre Rússia e Coreia do Norte. Petchorin havia sido escolhido a dedo por Putin para comandar a KDRV, uma das principais empresas de mineração do país.

ANDREI KRUKOVSKI, 37

Krukovski era o diretor da estação de esqui Krasnaia Poliana, localizada perto de Sochi, na Rússia. Diz-se que Putin convidou repetidamente seus amigos para esquiar no local. De acordo com o jornal russo Kommersant, o homem realizava uma caminhada em maio de 2022 quando caiu de um penhasco.

SERGUEI PROTOSENIA, 55

Ex-vice-presidente da empresa de gás natural Novatek, Protosenia foi encontrado morto em abril de 2022 em sua mansão na Espanha ao lado dos corpos da sua mulher, Natalia, e da filha, Maria. A suspeita das autoridades espanholas é de que o homem tenha esfaqueado as duas e depois se enforcado. O filho do empresário, Fedor, questionou o suicídio ao britânico Daily Mail e sugeriu que o pai foi assassinado.

VLADISLAV AVAIEV, 51

Um dia antes da morte de Protosenia e família, o também multimilionário Avaiev foi encontrado morto com sua mulher e a filha de 13 anos em um apartamento de Moscou. Ele foi vice-presidente do Gazprombank, um dos maiores bancos do país.

A morte aconteceu em condições parecidas à de Protosenia: a suspeita das autoridades é que Avaiev primeiro matou a mulher e a filha e depois disparou contra si mesmo.

VASILI MELNIKOV, 43

Em março de 2022, o bilionário chefe da empresa de suprimentos médicos MedStom, foi encontrado morto ao lado da esposa, Galina, e dos dois filhos pequenos em seu apartamento na cidade russa de Ninzhni Novgorod. Nenhum vestígio de luta ou de invasão de domicílio foi registrado. (Folhapress)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!