Contra-ataque

Rússia reconhece que navio de guerra foi danificado por ataque ucraniano

O presidente russo, Vladimir Putin, foi informado dos danos sofridos pelo navio de desembarque Novocherkassk

Por Agência
Publicado em 26 de dezembro de 2023 | 12:02
 
 
 

A Rússia reconheceu, nesta terça-feira (26), que um de seus navios foi danificado em um ataque ucraniano em Feodosia, na península anexada da Crimeia, uma nova derrota para Moscou no Mar Negro em um momento em que reivindica avanços na área. O presidente russo, Vladimir Putin, foi informado dos "danos" sofridos pelo navio de desembarque "Novocherkassk" por seu ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, sem dar mais detalhes.

O Ministério da Defesa, citado pela agência RIA Novosti, informou que o navio foi "danificado durante a noite, em um ataque das Forças Armadas ucranianas, que utilizaram mísseis de cruzeiro". Algumas horas antes, a Força Aérea da Ucrânia anunciou que havia "destruído" este navio, suspeito de transportar drones Shahed, de fabricação iraniana, utilizados por Moscou no conflito contra Kiev.

No Telegram, as forças ucranianas informaram que fizeram uso de mísseis de cruzeiro da "aviação tática" no ataque ocorrido por volta das 2h30 (21h30 em Brasília). O comandante da Força Aérea, Mykola Oleshchuk, divulgou um vídeo no qual é possível ver uma explosão e chamas.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, afirmou, por sua vez, que o navio afundou e comentou, em tom irônico, o bom trabalho de seu Exército, ao adicionar "um novo navio à frota submarina russa no Mar Negro". Segundo o governador da Crimeia, Sergei Aksionov, uma pessoa morreu, e duas ficaram feridas, no ataque ucraniano à Feodosia, nesta península anexada por Moscou em 2014.

Seis edifícios sofreram danos, e os moradores precisaram deixar suas residências nesta cidade que possui um importante porto comercial às margens do Mar Negro.

"Grande vitória"

O ataque é uma vitória par Kiev, que tenta demonstrar que pode manter a frota russa afastada da costa ucraniana, mesmo que não consiga impedir o avanço dos militares russos no "front". O Exército da Ucrânia conseguiu afastar os navios de Moscou do sudoeste do Mar Negro e reabrir um corredor marítimo para exportar cereais ucranianos.

Zelensky parabenizou os resultados desta estratégia, considerada "uma grande vitória da Ucrânia no Mar Negro". Embora o porto da frota russa no Mar Negro esteja localizado em Sebastopol, a cerca de 190 km de Feodosia, vários navios russos estão atualmente estacionados no porto desta cidade, segundo a imprensa local. 

O Mar Negro é uma importante rota para as exportações de cereais da Ucrânia, uma das maiores produtoras de grãos do planeta. Também é estratégico para a Rússia, visto que a localização da Crimeia ao norte é essencial para o envio de suprimentos para suas tropas no sul da Ucrânia e para lançar ataques dentro da ex-república soviética.

As operações de Kiev no Mar Negro são um de seus poucos triunfos militares este ano, uma vez que, após várias retiradas dos russos em 2022, a linha de frente de batalha permanece quase inalterada e, nas últimas semanas, as tropas de Moscou intensificaram sua pressão nas regiões leste e sul.

Na segunda-feira (25), os militares russos anunciaram terem assumido o controle da cidade de Marinka, perto de Donetsk, no leste da Ucrânia, o que foi desmentido por Kiev. Hoje, militares ucranianos disseram que o país foi alvo de uma nova ofensiva de drones Shahed, sobretudo, nas regiões de Kherson e Odessa. Treze dos 19 drones russos foram interceptados, relatou a mesma fonte, que não reportou vítimas, ou danos. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!