mifepristona

Suprema Corte dos EUA deve tomar decisão nesta sexta sobre pílula abortiva

Ativistas a favor e contra o direito ao aborto aguardam ansiosos a decisão

Por Agências
Publicado em 21 de abril de 2023 | 14:05
 
 
 

A Suprema Corte dos Estados Unidos deve se pronunciar nesta sexta-feira (21) sobre o medicamento abortivo mifepristona, uma decisão esperada sobre as restrições impostas por um tribunal de instância inferior a essa pílula amplamente utilizada no país.

O mais alto tribunal do país tem até a meia-noite de sexta-feira (1h de sábado, no horário de Brasília) para decidir como lidará com o mais importante caso de aborto desde a anulação do direito constitucional à interrupção da gravidez, no ano passado. 

O tribunal superior, com uma maioria de 6 a 3 para os juízes conservadores, deveria ter emitido uma decisão na quarta-feira, mas adiou por dois dias uma suspensão que congela as decisões do tribunal inferior enquanto decide o que fazer a seguir. 

A Suprema Corte pode decidir de várias maneiras, e ativistas a favor e contra o direito ao aborto, assim como milhões de americanos, aguardam ansiosos para ver como a situação vai proceder.

O caso decorre de uma decisão de um juiz federal do Texas, que em 7 de abril retirou a autorização da mifepristona, aprovada pela agência farmacêutica americana FDA em 2000. 

Dias depois, em 12 de abril, um tribunal federal de apelações em Nova Orleans bloqueou a proibição da pílula, mas impôs duras restrições ao acesso.

O governo do presidente Joe Biden recorreu com urgência à Suprema Corte, que em 14 de abril manteve temporariamente o acesso à pílula abortiva, decisão que foi renovada em 19 de abril até esta sexta-feira. 

A Suprema Corte agora pode congelar ainda mais as decisões do tribunal inferior, enquanto aguarda um recurso do Departamento de Justiça de Biden e do fabricante da mifepristona, Danco Laboratories. 

Também poderia permitir que as decisões que restringem o acesso à pílula abortiva entrem em vigor enquanto ocorre a análise dos recursos. O tribunal superior também pode decidir lidar ele mesmo com o caso de forma acelerada.

O caso foi complicado por outro desenvolvimento dos direitos reprodutivos no país.

Também em 7 de abril, outro tribunal federal, localizado no estado de Washington, decidiu que o acesso à mifepristona deve ser mantido, em resposta a uma ação judicial de 17 estados americanos governados pelos democratas. 

Desde que a Suprema Corte derrubou, em junho de 2022, o histórico Roe v. Wade, que havia consagrado o direito constitucional ao aborto em 1973, os estados ficaram livres para legislar sobre o assunto.

Mais de uma dúzia aprovou leis proibindo ou restringindo severamente o aborto.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!