LITERATURA

Um espaço para os zines em BH 

Feira Faísca lança Fanzinoteca no espaço Usina de Cultura, no dia 30

Por Patrícia Cassese
Publicado em 25 de novembro de 2017 | 03:00
 
 
 

A poucas semanas de comemorar seus 120 anos, a capital mineira ganha uma iniciativa que contempla um nicho local que, dada a sua efervescência, vem angariando cada vez mais visibilidade no resto do país: o das publicações independentes. Na próxima quinta-feira (30), pois, o Usina de Cultura, equipamento municipal localizado no bairro Ipiranga, recebe a Fanzinoteca Faísca. Apesar de o nome dar o indicativo do foco principal do acervo (os zines), o local também vai abrigar, num misto de biblioteca e espaço expositivo, revistas, livros, pôsteres, postais, cadernos, gravuras, adesivos, ímãs e outros produtos. 

A iniciativa é fruto da Feira Faísca, que, neste ano, já encerrou sua agenda. “Já no início da temporada, a gente pensou que seria um desdobramento bem legal da feira, o de ter um espaço no qual a pessoa interessada neste universo pudesse ter acesso a essas publicações. Mesmo porque, são obras que têm tiragens muito pequenas, que geralmente não têm distribuição em livrarias e bibliotecas. Até como documentação, para pesquisas futuras também”, diz o quadrinista Jão, mentor e coordenador do projeto. 
 
Ele lembra que, como a Feira Faísca geralmente acontece na região Centro-Sul, a ideia, com a Fanzinoteca, era descentralizar o acesso às publicações geradas pelo mercado editorial independente – no caso, levando para a regional Nordeste. “É uma forma de levar esse trabalho para as pessoas que não circulam todo o tempo pela região central da cidade”. 
 
A Fanzinoteca já entra em cena oferecendo mais de 200 títulos. As obras foram doadas pelos expositores de cada edição da feira para a empresa responsável por sua realização, a Pulo. 
 
Programação
 
A inauguração da Fanzinoteca vai contar com uma série de atividades, como o lançamento do livro “Nave”, de Julhelena, artista belo-horizontina que participa da Faísca desde a primeira temporada da feira, realizada em 2015.
 
“Ela está com a gente desde o início, então, é superinteressante estar lançando a obra na inauguração da Fanzinoteca”, pondera o quadrinista Jão. A publicação traz uma história em quadrinhos sem textos, realizada em aquarela e nanquim. Em cena, a trajetória de um objeto voador desconhecido por mundos habitados por monstros, e as transformações que a nave leva para esses lugares por onde passa. Com 80 páginas, inclui, ainda, conteúdo extra, com ilustrações e artes conceituais. “Nave” foi viabilizado pela plataforma de financiamento coletivo Catarse. 
 
“Para além disso, vai ter um sarau Companhia Siderlírica, que, na verdade, já acontece lá no Usina”, prossegue Jão, referindo-se à ação que reúne, mensalmente, músicos, poetas, e todo o público interessado em declamar poesia, cantar e conversar sobre literatura, sob a coordenação do bibliotecário do Usina de Cultura, Diego D’Ávila, e pelo escritor mineiro Sérgio Fantini.
 
A programação de abertura da Fanzinoteca terá, ainda, distribuição da série “Postal”. “Neste caso, essa parte leva a chancela da temporada Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), que são eventos que acontecem antes da realização do festival principal”, explica Jão, lembrando, ainda, que a Fanzinoteca foi criada como contrapartida do projeto da Feira Faísca pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura. 
 
Conforme já veiculado, no próximo ano, a Faísca não tem sua nova temporada assegurada, já que ainda não arrebanhou patrocínio. “Então, por agora, a nossa ideia é continuar abastecendo a Fanzinoteca, inclusive por meio de chamadas na página oficial da Faísca, convidando outros artistas a enviarem trabalhos”.
 
Fanzinoteca
Abertura do projeto. Centro Cultural Nordeste (rua Dom Cabral, 765, Ipiranga). Dia 30 (quinta), a partir das 18h. Gratuito.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!