REIVINDICAÇÃO

Servidores do Hospital das Clínicas de BH entram em greve por tempo indeterminado

Após audiência de conciliação, mediada pelo Tribunal Superior do Trabalho, assembleia vai definir os rumos do movimento

Por Vitor Fórneas
Publicado em 06 de maio de 2024 | 20:31
 
 
 

Servidores do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) entraram em greve nesta segunda-feira (6 de maio). O movimento é por tempo indeterminado. Uma audiência de conciliação foi mediada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e a proposta apresentada pela empresa será repassada para análise dos trabalhadores.

“Estamos vindo de sete anos de acúmulo de perdas inflacionárias, resultando em mais de 12% de perdas salariais”, disse Lucas Hauck, que integra o comando de greve. As reivindicações dos servidores são:

  • Auxílio alimentação no valor de R$ 1.465,00, com 13º salário benefício/abono natalino;
  • Auxílio saúde e odontológico no valor de R$ 500, com teto de 50% do valor do plano;
  • Auxílio creche no valor de R$ 730;
  • Auxílio pessoa com deficiência no valor de R$ 730;
  • Indenização auxílio transporte, desconto limitado a 0,5%;
  • Aplicação da reestruturação das carreiras, conforme construído entre todas as entidades sindicais e a empresa no GT/PCCS;
  • Aplicação do Adicional de Titulação, conforme construído entre todas as entidades sindicais e a empresa no GT/Titulação;
  • Compromisso da empresa para encaminhamento e cobrança para as pautas dos demais GTs: Seguro de Vida e Previdência complementar;
  • A empresa pediu 14,07%, a SEST propôs 2,15%; as entidades vão pedir 14,07%, acompanhando o índice da empresa.

A reivindicação dos servidores do Hospital das Clínicas foi negada pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que administra a unidade de saúde. Na audiência desta segunda, a empresa apresentou uma nova proposta que será levada em assembleia a ser realizada nesta terça-feira (7 de maio). 

  • 3,09% sobre os salários e benefícios, exceto alimentação;
  • 20,58% de reajuste no vale-alimentação;
  • 100% do INPC para o próximo período sobre salários e benefícios;
  • Manutenção dos 38 itens sociais já aceitos; e
  • Instituição de GT paritário para criar um plano de recomposição salarial.

Em nota, a Ebserh esclareceu que, pelo fato do movimento grevista estar no início, “não houve impactos assistenciais nessa manhã”. “A situação poderá ser melhor avaliada nas próximas 48 horas. A Ebserh reforça seu empenho em manter o diálogo e a transparência visando a conclusão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT)". 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!