CASTELO

Homem que estava com adolescente que sumiu em BH foi preso por descumprir medida protetiva

Ele era proibido pela Justiça de se aproximar da garota; menina foi entregue à família

Por Isabela Abalen
Publicado em 09 de junho de 2024 | 14:15
 
 
 

Um homem de 38 anos que estava com a adolescente Mariana Muniz Pereira, de 16, durante os três dias que ela ficou desaparecida em Belo Horizonte, foi preso pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) nesse sábado (8 de junho). O suspeito estava proibido de se aproximar da garota por uma medida protetiva em seu desfavor. A ordem, expedida pela Justiça, é uma forma de proteger mulheres em situação de risco.

A adolescente sumiu no bairro Castelo, na região da Pampulha, na quinta-feira (6), e foi reencontrada ontem em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de BH. De acordo com o registro da ocorrência, o suspeito já era alvo dos investigadores do desaparecimento de Mariana. Ele foi abordado pelos policiais no bairro Serrano, quando confessou que estava com a menina, entregando a sua localização. 

O homem é suspeito de ter se relacionado com a vítima, mesmo ela sendo menor de idade. Essa relação motivou a adolescente a pedir a medida protetiva, que é um meio de proteção utilizado em casos de violência doméstica, abusos e perseguição. A medida foi expedida pela Vara Especializada da Criança e Adolescente de Belo Horizonte. 

Por ter descumprido a ordem, o homem foi conduzido até a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM), onde teve a prisão em flagrante ratificada. “Após os trabalhos de polícia judiciária, o investigado foi encaminhado ao sistema prisional, onde está à disposição da Justiça”, informou a Polícia Civil. 

A adolescente foi ouvida pela instituição, na presença de seu representante legal, e entregue à família. A Polícia Civil continua investigando o caso em um inquérito sigiloso, como define o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

Maioria dos desaparecidos em MG é meninas adolescentes, alerta Polícia Civil

Meninas de 12 a 17 anos são as que mais somem do rastro das famílias em Minas Gerais. As adolescentes motivaram 6.738 registros de desaparecimento nos últimos cinco anos. É como se, por dia, três deixassem de retornar às residências.

O número abre exceção à regra não só ao ocupar o ranking à frente dos meninos da mesma idade, mas do total de desaparecimentos no Estado. Entre as motivações dos “sumiços”, estão violência doméstica e conflitos familiares. Entenda em matéria completa clicando AQUI.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!