Nova vida

Lembra dele? Vinny do hit ‘Mexe a cadeira’ fala o que mudou após sucesso

Em entrevista para podcast, cantor explica que criou paixão pela psicanálise

Por Aline Torres / Grupo Observatório
Publicado em 28 de março de 2023 | 17:29
 
 
 
normal

Vinny Bonotto está longe do mundo da música, mas certamente você que viveu o fim dos anos 90 e início dos anos 2000 embalado pelo sucesso “Heloísa Mexe a Cadeira”, se lembra desse rosto na televisão brasileira. Ao participar do podcast “Estúdio 96 OPHICINA”, o agora ex-cantor falou sobre o auge da carreira, declínio e como leva a vida atualmente. Ao falar sobre o grande sucesso do hit que o alçou a fama, Vinny explica:

 

 

"Essa onda gigantesca durou três anos, foi um fenômeno, fui pro Japão fazer uma turnê dois meses" (...) Eu já tinha 30 anos, já estava na lida desde os 20. Uma coisa que nunca saiu do meu radar foi: 'Isso é uma onda, você pode surfar, mas é uma onda (...) Me preparei pra essa subida por dez anos, mas pra queda me preparei a vida inteira. Desconfiava de alguma forma que era uma onda. “A queda é inerente ao declínio. Falar em decadência, derrota, declínio, é quase um pecado, mas 'velho', se a gente entender como funciona e usar isso a nosso favor pode ser um impulso a outra", disse ainda

 

Logo em seguida, o artista afirmou que viveu o sucesso em uma fase diferente da mídia, quando a internet estava começando e quando não haviam as redes sociais como hoje: "Essa é a parte mais assim eu considero a parte mais especial de ter feito tanto sucesso no momento da música assim, um momento importante, eu acho. Quando você pensa que era um momento que não tinha internet, mais difícil. Naquele momento você fazer uma música a difusão dela era limitada: às vezes é um bairro, depois é uma cidade, escalando e foi um fenômeno. Eu fui fazer turnê no Japão duas vezes. A proporção era muito grande. Hoje eu não sei como seria, talvez fosse até maior, né, por conta da internet, a difusão na forma de chegar nas pessoas. Mas foi muito especial", disse orgulhoso.

 

Consciente do lhe aguardava, Vinny afirmou que aproveitou o tempo pós-fama para se dedicar a outros afazeres: "Eu percebi que os shows, depois de muito tempo, começaram a escassear, a música já não tocava mais assim rádio, eu já não estava mais tão presente nos programas de televisão. É uma percepção também que você precisa ter: está acontecendo agora o movimento inverso, do que aquela coisa gigantesca que me levou para cima. E o que eu vou fazer com isso? Vou espernear com a onda, que é muito maior do que eu, vou brigar com essa parada aqui? Ou eu vou tomar impulso, vou nadar essa parada e vou sair disso? Eu vou tomar impulso para a próxima! E foi o que eu fiz: eu comecei a estudar, que era uma coisa que eu deixei de fazer lá quando larguei a faculdade", contou.]

 

Vinny disse que ao se tornar psicanalista, chegou a atender 12 pacientes por dia durante a pandemia: "Vou voltar a estudar, porque agora eu tenho dinheiro, tempo, vontade, tesão. Aí fiz Filosofia e me apaixonei. Fui para Argentina e fiz mestrado em ciências sociais e me apaixonei pela vida acadêmica. Vim para cá de volta para o Brasil, fiz Psicanálise e me tornei psicanalista. Atendi durante muito tempo durante a pandemia, 12 pessoas por dia online. E aí eu comecei também a escrever sobre terapia online", relatou o artista.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!