FILMES E SÉRIES

Coisas horríveis que diretores de filmes de terror fizeram nos sets

Diretores muitas vezes passam dos limites ao tentar extrair reações genuínas dos atores

Por Observatório da TV
Publicado em 10 de junho de 2024 | 18:00
 
 
 

O mundo do cinema é conhecido por suas histórias de bastidores repletas de desafios e sacrifícios, mas poucas produções são tão intensas e exigentes quanto os filmes de terror. Para capturar o medo genuíno e criar atmosferas aterrorizantes, alguns diretores de filmes de terror ultrapassaram os limites do aceitável, submetendo seus atores a experiências extremas e, por vezes, traumáticas.

Essas histórias dos bastidores revelam até que ponto alguns cineastas estão dispostos a ir para garantir performances autênticas e cenas impactantes.

Desde o uso de animais vivos e agressivos até técnicas de filmagem pouco ortodoxas, os métodos desses diretores muitas vezes colocaram a segurança e o bem-estar emocional de seus atores em segundo plano.

Em busca da autenticidade e do choque, práticas que hoje seriam consideradas inaceitáveis foram empregadas em clássicos do cinema de horror. Cada uma dessas histórias mostra o lado sombrio da indústria cinematográfica, onde a linha entre a arte e a crueldade foi perigosamente tênue.

Confira abaixo! (via SlashFilm)

Pennywise é o grande antagonista de It: A Coisa
Pennywise é o grande antagonista de It: A Coisa

Crianças de It: A Coisa viram Pennywise pela primeira vez em frente às câmeras

Conforme revelado em um featurette dos bastidores de It: A Coisa, o diretor Andy Muschietti e sua equipe se esforçaram para manter Bill Skarsgård como Pennywise afastado das crianças o máximo possível, e não mostraram a elas como seria o personagem até o momento de filmar a cena do projetor, na qual o Clube dos Perdedores vê pela primeira vez.

O choque e o horror que preenchem os rostos dos atores durante a cena são reais: foi a primeira vez que todos viram a versão do palhaço demoníaco do filme juntos.

It: A Coisa está disponível no Max.

O Massacre da Serra Elétrica
O Massacre da Serra Elétrica

O set de O Massacre da Serra Elétrica era realista demais

Para alcançar sua visão com um orçamento limitado, Tobe Hooper comandou uma filmagem exaustiva, sete dias por semana, que fez com que os atores alucinassem devido ao calor escaldante do Texas. Gunnar Hansen foi proibido de tirar o traje de Leatherface, e, ao final da produção de um mês, seu cheiro se tornou quase insuportável.

As várias decorações mórbidas ao redor da casa da família canibal consistiam de carcaças de animais reais injetadas com formaldeído. A faca cenográfica na cena do corte de dedo não funcionou, e um Hansen impaciente acabou cortando o dedo de Marilyn Burns de verdade, fazendo com que gotas reais de sangue fossem sugadas pelo Vovô (John Dugan).

Uma cena em particular fez Hansen segurar uma serra elétrica real funcionando perto do rosto de Bill Vail. O resultado final foi uma obra-prima, mas é certamente melhor que tais práticas sejam impossíveis sob as regulamentações contemporâneas de saúde e segurança no set.

O Massacre da Serra Elétrica está disponível para aluguel em plataformas digitais.

Cena de Seven
Cena de Seven

John C. McGinley não sabia que a vítima da Preguiça era um ator em Seven

Como o ator Michael Reid MacKay revelou em uma entrevista de 2015 ao Yahoo Movies, após passar um dia inteiro com maquiagem prostética cadavérica aplicada nele, ele foi instruído a ficar perfeitamente imóvel e prender a respiração. Fincher então informou os atores sobre a cena sem lhes dizer que a vítima seria interpretada por um ator vivo, ao invés de um boneco.

Segundo MacKay, quando a vítima tosse na cara do líder da SWAT California (John C. McGinley), a reação que vemos é, de fato, McGinley sendo autenticamente assustado na primeira tomada. Embora sessões de maquiagem de 14 horas seguidas pela atuação mais minimalista e fisicamente exigente possam não ser a ideia de um grande dia de trabalho para todos os atores, MacKay ainda olha para trás com carinho na experiência, frequentemente aparecendo em convenções para discutir Seven e seus vários outros papéis de terror.

Seven: Os Sete Crimes Capitais está disponível no Max.

Shelley Duvall como Wendy em O Iluminado.
Shelley Duvall como Wendy em O Iluminado.

Stanley Kubrick supostamente tratou Shelley Duvall mal de propósito em O Iluminado

De todos os casos notórios na história do cinema de diretores tratando atores com severidade, frieza e até crueldade deliberada para alcançar algum tipo de efeito desejado na performance, nenhum é mais infame do que o de Stanley Kubrick e Shelley Duvall no set de O Iluminado.

Ao longo das décadas, houve inúmeros relatos e histórias, variando do substanciado ao sensacional, sobre como o papel de Wendy Torrance foi emocional e fisicamente exigente para Duvall.

Segundo vários relatos, mesmo calibrando para o perfeccionismo tipicamente implacável de Kubrick, ele foi especialmente exigente em seu tratamento a Duvall, exigindo que ela atingisse um nível constante de angústia emocional que era doloroso de sustentar, isolando-a do restante do elenco e da equipe para aumentar a sensação de alienação e desespero de Wendy.

A ideia de que a relação entre o diretor e a atriz cruzou a linha para o abuso emocional ou profissional, no entanto, não é universalmente aceita. Não só a história sobre Kubrick ter filmado 127 tomadas da cena do taco de beisebol foi desmentida como um mito pelo biógrafo Lee Unkrich (via IndieWire), mas a própria Duvall afirmou repetidamente que, embora a filmagem tenha afetado sua saúde mental devido às longas horas e emoções intensas, Kubrick era um cineasta caloroso e amigável que mantinha uma relação artística produtiva com ela, com exceção de algumas discussões acaloradas.

O Iluminado está disponível no Max.

Cena de Possessão
Cena de Possessão

Andrzej Żuławski teria hipnotizado atores no set de Possessão

A última década popularizou um certo tipo de filme de terror impulsionado por performances, que pede a atrizes talentosas que transmitam sua intensidade ao público entregando atuações ferozes e espetacularmente perturbadas. De Toni Collette em Hereditário a Essie Davis em O Babadook, de Lupita Nyong’o em Nós a Jennifer Lawrence em mãe!, muitos dos filmes de terror notáveis da nossa era confiaram grande parte de seu poder ao desempenho agitado, gritado e tremido de suas estrelas femininas. Como qualquer fã de terror sabe, esse estilo pode ser traçado até Isabelle Adjani em Possessão.

Como a Rolling Stone notou em um artigo de 2021, para trazer à tona as agonias mais profundas dos personagens com toda a força, o diretor polonês “supostamente hipnotizou seus atores e os colocou em um estado de transe antes de filmar certas cenas”. Para a maioria dos filmes, tal rumor selvagem nos bastidores seria fácil de descartar como uma história exagerada. No caso de Possessão, é realmente crível.

Tippi Hedren em Os Pássaros
Tippi Hedren em Os Pássaros

Pássaros reais foram soltos em Tippi Hedren durante Os Pássaros

O icônico filme de terror de 1963 empregou perigosamente pássaros reais em várias cenas, desde corvos a gaivotas e pardais, e Hedren sofreu o pior disso. Na cena mais assustadora do filme, sua personagem, Melanie Daniels, entra em um quarto no andar de cima que se revela cheio de pássaros que invadiram pelo telhado.

A cena levou uma semana para ser filmada e, embora Hedren tivesse sido assegurada de que seriam usados pássaros mecânicos, ela logo se viu tendo pássaros vivos e agressivos lançados sobre ela por horas a fio. A situação chegou a tal ponto que um pássaro bicou sua bochecha perto do olho, levando-a a um colapso mental. Um médico ordenou uma semana de descanso – e Hitchcock ainda tentou ignorar isso.

Os Pássaros está disponível no Telecine.

Cabra em A Bruxa
Cabra em A Bruxa

A cabra em A Bruxa era realmente hostil

O caos que Charlie, a cabra, causou no set de A Bruxa foi algo fora do comum. Uma cabra britânica selecionada por ter a aparência mais ameaçadora para o papel de Black Phillip, Charlie rapidamente provou ter exatamente o temperamento certo para o papel do demônio assassino do filme.

Como Eggers e o ator Ralph Ineson revelaram ao The Hollywood Reporter, Charlie se comportava de forma desafiadora durante as filmagens, inquietando-se furiosamente em cenas que exigiam calma e tentando dormir quando queriam que ele agisse de forma agressiva. Ineson, cujo patriarca rabugento William tem uma relação particularmente beligerante com Black Phillip no filme, revelou que a animosidade também se estendeu à dinâmica fora das telas: foi “ódio à primeira vista”, com Charlie insistindo em atacar Ineson a cada oportunidade.

No quarto dia de filmagem, Charlie atacou Ineson e deslocou um tendão, forçando o ator humano a completar o filme sob o efeito de analgésicos. Depois disso, Eggers tentou substituir Charlie por dois diferentes bonecos de cabra, mas nenhum deles estava à altura. Várias cenas perigosas tiveram que ser cortadas, enquanto pelo menos uma foi realizada com o uso de uma coleira. Rebelde ou não, a performance da cabra foi indispensável.

A Bruxa está disponível no Globoplay.

O post Coisas horríveis que diretores de filmes de terror fizeram nos sets apareceu primeiro em Observatório do Cinema.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!