Helenice Laguardia

Helenice Laguardia

Helenice Laguardia escreve sobre Economia em Minas. Fique por dentro das atualizações do Minas S/A.

VOLUNTARIADO

Instituto Tailor tem rede de financiamento de padrinhos e madrinhas

O fundador do Instituto Tailor, Bruno da Matta Machado, conta que o instituto é uma espécie "de venture builder (organizações que validam, financiam e aceleram diversas startups simultaneamente) de projetos sociais".

Por Helenice Laguardia
Publicado em 10 de junho de 2024 | 08:06
 
 
 

O fundador do Instituto Tailor, Bruno da Matta Machado, conta que o instituto é uma espécie "de venture builder (organizações que validam, financiam e aceleram diversas startups simultaneamente) de projetos sociais". Segundo Bruno, o Instituto fornece recursos financeiros, mentorias, auxílio em gestão, voluntariado e rede de contatos, para garantir a manutenção e aumentar o impacto dos projetos que “incuba”. Como atua como headhunter há muitos anos por meio da consultoria Tailor, Bruno conta que o instituto é financiado por uma rede de padrinhos e madrinhas, formada pela rede de contatos dele. "Os padrinhos pagam mensalmente um valor definido por cota de associação", explica.

Projetos

Atualmente o instituto conta com mais de 40 padrinhos recorrentes. "Fazem parte do hub quatro projetos, com diferentes naturezas e propósitos, sendo três deles em Belo Horizonte e um em São Paulo", diz Bruno da Matta Machado. Os projetos são: Casa das Flores, de acolhimento a crianças em tratamento de câncer e outras doenças graves, que vem do interior para tratamentos em Belo Horizonte. A Escolinha GDI é outro projeto com assistência do Instituto Tailor. Criado no Aglomerado da Serra, a Escolinha GDI conta com quase 150 crianças, para afastar os jovens da comunidade, do ócio das ruas. 

Ser especial

Outros dois projetos apoiados pelo Instituto Tailor são a escola Ser Especial criada em 2007, em Belo Horizonte, que recebe alunos com deficiências mentais e doenças raras. Já o projeto Caixa da Esperança fica no Jardim Iguatemi, avaliado como o quinto pior bairro para se viver em São Paulo, segundo o IDH. "O projeto se dedica a promover a esperança, o desenvolvimento social e o bem-estar das pessoas da comunidade, em situação de vulnerabilidade. Além de ações assistencialistas, o projeto tem diversas iniciativas de capacitação profissional", explica Bruno da Matta Machado.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!