Sexta-feira

No centro de BH, consumidor aproveita Black Friday para tentar driblar inflação

Movimento foi tranquilo ao longo da manhã, mas lojistas esperam público maior no decorrer do dia

Sex, 26/11/21 - 11h55
Consumidores aproveitam promoções da Black Friday em loja no centro de BH

Com 40 kits de xampu e condicionador no carrinho no Shopping Cidade, no Centro de Belo Horizonte, nesta sexta-feira (26),  a dona de casa Kátia Silva, 52, comemorava que conseguiu promoção nos itens, que ela estima que durarão até a próxima Black Friday. “Comprei por R$ 12 no aplicativo, mas no ano passado era R$ 9,90”, diz. Com a nova compra, ela diz esperar driblar novas altas da inflação até novembro de 2022. 

Veja também: Saiba quais as empresas campeãs de reclamações na Black Friday

Como Kátia, a estudante de psicologia Keila Mendes, 42, aproveitou o dia de descontos para comprar itens de supermercado. “Mercado é o que me chama mais atenção. O frango que compro a mais R$ 30 encontrei por R$ 24. Também comprei um micro-ondas por R$ 500 e pouco, sendo que estava R$ 699 antes. O próprio vendedor da loja me orientou a comprar no site, que estava mais barato”, conta. 

Leia também: Black Friday no Outlet de Contagem começa com fila e lojas cheias

O CEO do site Reclame Aqui, Edu Neves, diz que esta é uma “Black Friday” da mercearia”. “Isso deixa claro o momento inflacionário e difícil para as empresas e ainda mais para o consumidor. Itens de mercearia e higiene, por exemplo, são os únicos que restaram aos consumidores para buscar descontos reais, mostrando o momento contundente de inflação. De um lado estão as empresas sem conseguir fazer promoções, e do outro, os consumidores sem dinheiro”, analisa. 

A servidora pública Mariana Martins, 39, estava em busca de promoção de fraldas e lenços umedecidos para os filhos gêmeos, mas consultou uma farmácia no Centro sem sucesso. “Tudo está ficando mais caro. O leite mesmo que eu compro para os meninos estava R$ 62, duas unidades, e agora subiu para R$ 82. Mas pelo menos encontrei promoção para o presente de aniversário deles, que é semana que vem. Um carrinho que estava R$ 150 no Dia das Crianças eu comprei por R$ 80”, diz. 

Movimento tranquilo

O público circulava com intensidade pelo Shopping Cidade no final da manhã desta sexta. Algumas das lojas do shopping abriram às 6h para receber clientes, e o centro de compras só fechará às 23h, uma hora depois do habitual.

Apesar do movimento, o shopping não estava lotado por volta das 11h — o maior movimento, de acordo com o gerente de marketing do Shopping, Bruno Saliba, é esperado para o horário de almoço e para o início da noite.

“Esperamos 50 mil pessoas circulando hoje, geralmente são 35 mil. Estamos com uma previsão de aumentar de 10% a 15% a equipe do shopping para o final do ano, chegando a uma equipe de 3.400 pessoas”, acrescenta o gerente. Vagas abertas podem ser localizadas no site do shopping.

A caminho do shopping, descendo a avenida Augusto de Lima, no bairro Barro Preto, na região Centro-Sul, quase todas as lojas tinham cartazes anunciando a Black Friday, porém o movimento era baixo por volta das 10h. Já nas ruas próximas à Praça Sete, no início da tarde, a circulação de pessoas era intensa. 

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

(2) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
EPPGG Magnata 1:36 PM Nov 26, 2021
Pobre adora uma blequí fráidei! Eu Não preciso disso, com meu salário de 20 mil reais pago pelo Estado de Minas!
0
Denunciar

Reginaldo Torres 12:26 PM Nov 26, 2021
Pessoal compra TV 43 polegadas e a casa não tem nem reboco nas paredes... Questão de prioridades!!
0
Denunciar

LEIA MAIS
Consumidor
Manobra
Autorização dada
Pandemia
PEC
Economia
Veja se você vai receber
Reajuste
Regularização
Economia