Levantamento

Países que mantiveram comércio funcionando não evitaram queda brusca no PIB

Suécia, que não adotou isolamento social, deve ter retração de 6,3% na economia, além da maior taxa de mortos por 100 mil habitantes

Sex, 29/05/20 - 08h28
Nem mesmo as máscaras foram obrigatórias na Suécia; país sueco adotou isolamento brando, o que gerou impactos desastrosos

Países que adotaram isolamento social mais brando devem sofrer impacto econômico similar ao de nações vizinhas que foram mais rigorosas na quarentena.

No caso de Suécia, Brasil e Chile, as medidas não foram suficientes para frear o avanço do coronavírus, e os três, para além das perdas econômicas, apresentam taxas de mortalidade substancialmente maiores do que as de países fronteiriços.

Mesmo a Alemanha, menos rigorosa na quarentena, mas exitosa no combate à Covid-19, anunciou recessão no último trimestre e deve ter queda no PIB similar à média da Europa.

Citada pelo presidente Jair Bolsonaro como exemplo na pandemia, a Suécia, que teve regras de isolamento social mais brandas que seus vizinhos escandinavos, terá impacto econômico semelhante ou pior, segundo o previsão do FMI.

O país manteve estabelecimentos abertos, escolas funcionando e nem mesmo chegou a indicar oficialmente o uso de máscara pela população.

Por lá, o isolamento social se parece mais com uma recomendação do governo a seus cidadãos do que com uma política efetiva de Estado.

Dados anônimos de mobilidade de usuários do Google mostram que os suecos reduziram suas atividades, mas foram mais às ruas que dinamarqueses, finlandeses e noruegueses, cujos governos implantaram maiores restrições.

O efeito da pandemia em termos econômicos, contudo, é parecido. A queda do PIB sueco em 2020 deve ficar em 6,8%, diz o FMI. A média dos outros três países é redução de 6,3%.

Também deve ter alta de 3 pontos percentuais no índice de desemprego – menos que a Noruega, que pode ter salto de 9 pontos, porém mais que o dobro do crescimento de Dinamarca e Finlândia.

Dos escandinavos, os suecos têm a maior taxa de mortos por coronavírus: 36,1 a cada 100 mil habitantes, três vezes a da Dinamarca (9,4).

A Suécia também é o único dos quatro países que teve mais mortes do que seria esperado para um mês de abril, de acordo com o projeto EuroMomo, que analisa a mortalidade em mais de 20 nações europeias.

Abril de 2020, por sinal, foi o mês com mais óbitos na Suécia em 20 anos, segundo a agência oficial de estatísticas do país.

América Latina

Na América do Sul, a situação é semelhante no Brasil e no Chile. Com isolamento menor em comparação com Colômbia e Argentina, os dois países também devem ter quedas mais bruscas no PIB e já acumulam taxas maiores de mortes por coronavírus.

Dos quatro, a Argentina é a única que já tinha previsão de recessão antes mesmo de o mundo descobrir o coronavírus. Em outubro de 2019, o FMI projetava que o PIB caísse 1,3%. Em abril, houve uma revisão diante da pandemia, e a queda passou para 5,7%.

Em comparação, Brasil e Chile, que tinham previsão de crescimento de 2% e 3% em outubro, respectivamente, devem ter queda de 5,3% e 4,5%.

A Argentina adotou lockdown em todo o país, e, nesta segunda (18), tinha 0,8 morto por 100 mil habitantes. O país já ensaia a saída da quarentena, com flexibilização de algumas regras.

No Brasil, são 7,7 mortos por 100 mil pessoas e, no Chile, 2,4. Na semana passada, a capital chilena endureceu as regras e decretou confinamento da população para tentar conter o avanço da Covid-19.

O Brasil, por sua vez, tem reabertura em alguns Estados, como Santa Catarina, e lockdown em cidades de outros quatro. Nessa segunda, tornou-se o terceiro no mundo com mais casos da doença e já tem mais de 26 mil mortos.

Pesquisador de economia aplicada da FGV-IBRE, Livio Ribeiro afirma que nenhum país é uma ilha e que dificilmente algum escapará dos efeitos econômicos da pandemia. A economia mundial, projeta o FMI, deve retrair 3%.

“Você tem países com políticas de isolamento mais soft, só que isso não quer dizer que eles são capazes de se blindar totalmente de uma forte desaceleração global e regional. Não tem saída boa nem faz sentido opor saúde e economia”, diz.

Para ele, o fenômeno deve ser especialmente forte na zona do euro, altamente interligada.

A Alemanha, por exemplo, demonstrou que a quarentena mais branda não implica necessariamente alta taxa de mortes.

O país teve números de óbitos muito mais tímidos que os vizinhos Bélgica (campeã mundial na taxa por 100 mil habitantes) e Holanda, mas nem por isso escapou da recessão.

Nenhum dos três adotou lockdown, mas os dados de mobilidade do Google mostram que os alemães foram os que menos aderiram ao isolamento social.

Ainda assim, o FMI projeta retração de 7% ao fim do ano. Holanda e Bélgica têm prognóstico parecido, com -6,9% e -7,5%, respectivamente. Todos eles já deram início à reabertura há algumas semanas.

Situação semelhante é observada na Austrália e na Nova Zelândia, bem como nos vizinhos Estados Unidos, México e Canadá.

São países com diferentes níveis de mortalidade e isolamento social, mas com previsão de queda do PIB de 6,2% a 7,2%.

(FLÁVIA FARIA E DIANA YUKARI)

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Lucas 11:55 AM May 29, 2020
Isto é, o discurso dos psicopatas de que é preciso matar pessoas para "salvar a economia" era falso. E não era preciso esperar esse desastre acontecer - foi a mesma coisa durante a gripe espanhola: as cidades que fizeram isolamento rápido e drástico não apenas salvaram vidas ao ter número de mortes consideravelmente mais baixo comparado às que se mantiveram abertas, mas também tiveram retomada econômica muito mais rápida. O presidente preferiu matar milhares e também destruir a economia.
0
Denunciar

LEIA MAIS
Saúde em Minas
Live do Tempo
Em análise
Opinião
Alimentação
Dinheiro
Aéreas
Economia
Recuo expressivo
Recuperação