Debate

Vinte empresas querem cultivar maconha medicinal

Audiência pública nesta quarta-feira discutirá a regulamentação; consultas públicas vão até 16 de agosto

Qua, 31/07/19 - 06h00
Plantio de maconha medicinal pode ser regulamentado no Brasil

A menos de um mês do fim da consulta pública sobre a liberação do cultivo de maconha para fins medicinais, 20 empresas nacionais e estrangeiras já procuraram a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para manifestar interesse em cultivar a erva no país. Audiência pública para discutir a regulamentação está marcada para esta quarta-feira, 31.

 Empresas do Canadá, dos Estados Unidos e de Israel são as mais interessadas. Também desembarcaram no país, com o mesmo interesse, representantes de empresas da Austrália, do Uruguai e da Europa. A diferença dessas últimas é que elas pretendem investir por meio de parceiros locais. 

Apesar de a Anvisa colocar o tema em consulta, a liberação do plantio de maconha enfrenta resistência dentro do próprio governo. A reação é capitaneada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, que trabalha para que, ao fim da consulta pública, o tema seja enterrado.

Em entrevista ao site Jota semana passada, Terra disse que o governo poderia até mesmo encerrar as atividades da agência, caso a ideia vá adiante. 

Beneficiados

Estima-se que, com a regulamentação aprovada pela Anvisa, o total de pacientes beneficiados pelos medicamentos à base de canabidiol, o princípio ativo da maconha, chegue a 3,9 milhões em três anos.

Isso significa mercado potencial de R$ 4,7 bilhões ao ano, calcula a empresa de dados New Frontier em parceria com a startup brasileira The Green Hub.

Sem projeções oficiais

O Ministério da Agricultura disse não ter, “por ora, projeções sobre plantio, geração de renda e posição a respeito”. O Ministério da Economia também foi procurado para se manifestar, mas não respondeu. 

Consultas públicas

A previsão é que as consultas terminem em 16 de agosto. A Anvisa recebeu 590 manifestações de associações, profissionais de saúde, empresas e população. Só oito foram contrárias à legalização.

Das 304 manifestações sobre registro de produtos a base de Cannabis, 67 foram feitas por profissionais de saúde.

Na 2ª consulta foram feitas 286 contribuições, 3 delas de pessoas jurídicas e 283 de pessoas físicas.

Ainda sobre cultivo, contribuíram até agora 199 pessoas que se identificaram como cidadãos ou consumidores, 43 profissionais de saúde e 21 como pesquisadores. 

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Dr. Kuca Belludo 10:40 AM Jul 31, 2019
esse governo de evangélicos ignorantes, pode travar a liberação do plantio para fins medicinais. muita gente vai ser prejudicada, muita gente pode morrer. NÃO DEIXE ESSE GOVERNO DE IMBECIS FAZER ISSO.
11
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Cerimônia
Radiação
Campanha
China
Tradição
Medida
Natureza
Maiores animais terrestres
Lançamento
Discussão