MISTÉRIO

Quem é o presidente do Irã, cujo risco de morte deixa futuro do país em suspenso

Ebrahim Raisi é um dos possíveis sucessores do aiatolá Ali Khamenei, 85

Por Agências
Publicado em 19 de maio de 2024 | 16:29
 
 
 

As circunstâncias ainda pouco claras do "pouso difícil" do helicóptero em que estava o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, neste domingo (19), deixam em suspenso o futuro do país.
Um jurista de 63 anos, Raisi foi responsável por agravar a instabilidade política e econômica do país desde a sua eleição em 2021. É acusado, também, pela execução de milhares de dissidentes nos anos 1980.

Sua possível morte aumenta a incerteza em relação ao porvir. Raisi é um dos possíveis sucessores do aiatolá Ali Khamenei. A substituição do líder supremo, de 85 anos e saúde frágil, é uma das grandes preocupações imediatas do país e pode ficar ainda mais complexa. A agência de notícias estatal Fars pediu que os iranianos rezem pelo presidente.

Quem é Ebrahim Raisi

Raisi nasceu em Mashhad, uma cidade próxima ao Afeganistão e considerada uma das capitais espirituais do país. Estudou em Qom, um dos centros de ensino teológico. Fez carreira como jurista e, aliado de Khamenei, entrelaçou-se ao tecido político.

Seu nome ganhou alguma projeção - e infâmia - quando participou da execução de milhares de prisioneiros políticos em 1988. Acredita-se que Raisi era um dos quatro responsáveis pelo apelidado "comitê da morte", que dava as sentenças de tortura e execução extrajudicial aos dissidentes. A estimativa de mortes oscila entre 2.800 e 3.800, mas o número exato é desconhecido.

Sua participação no comitê foi premiada, não punida. Na sequência, ocupou diversos postos de influência no Judiciário, incluindo o de procurador-geral de 2014 a 2016 e depois de chefe da Justiça de 2019 a 2021.

Eleito na segunda tentativa

Em 2021, na sua segunda tentativa nas urnas, Raisi foi eleito presidente do Irã. Assumiu o país em uma situação precária. O governo americano, sob Donald Trump, tinha decidido rever o acordo nuclear estabelecido em 2015 entre o Irã e os Estados Unidos. Era tarefa de Raisi estancar a sangria, naquele momento.

Do ponto de vista de potências como EUA e Israel, o acordo nuclear era uma maneira de impedir que o Irã tivesse a bomba. Para o Irã o acordo servia de incentivo político e econômico, aliviando sanções.

Linha dura

Raisi, porém, manteve seu perfil de linha dura e estancou as negociações. Com isso, agravou a crise econômica que assola seu país. Isso é em parte resultado de uma visão de mundo em que enxerga o Irã como uma força de resistência ao poderio americano —e prefere buscar maneiras de sobreviver sem depender de Washington.

O presidente iraniano também entrou em atrito com os EUA devido à morte do general Qassem Suleimani em um ataque americano em 2020. Raisi era próximo de Suleimani e, em mais de uma ocasião, prometeu vingar sua morte.

No meio-tempo, Raisi teve de lidar também com protestos por todo o país motivados pela morte de Mahsa Amini, 22, sob custódia policial, acusada de não vestir o véu islâmico da maneira exigida pelas autoridades religiosas. Foi mais um fracasso de

Raisi, que não soube aplacar a ira de uma população cada vez menos conservadora e menos religiosa, descontente com o regime autoritário imposto pela revolução de 1979.
Raisi apoia a segregação de gêneros no Irã e condena as relações homossexuais, que já descreveu como selvageria.  Representa, pois, visões radicais em declínio no país, em especial entre os mais jovens.

Tensão com Israel

Somou-se a tudo isso a tensão recente com Israel, arquirrival do Irã. Israel crê que, em alguma medida, o Irã esteve envolvido no ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, uma vez que Teerã apoia e financia a facção. Neste ano, Israel atacou uma representação diplomática iraniana em Damasco, e o Irã revidou lançando milhares de mísseis e drones. A situação segue tensa e pode envolver outros atores regionais. A Arábia Saudita, rival regional do Irã, expressou neste domingo (19) “grande comoção" com o acidente.

Se Raisi morrer, este é o mundo que seu sucessor vai herdar. Com o possível vácuo político, a lei iraniana estipula que haja um pleito nos próximos 50 dias. Os olhos estarão fincados nas decisões que serão tomadas —ou seja, se vão agravar ou aliviar as agruras que a população do país vive. (Diogo Bercito/Folhapress)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!