Política

Deputado dos EUA, trumpista filho de brasileiros admite ter mentido no currículo

George Santos se desculpou por embelezar seu histórico e disse não ser um criminoso

Por Agências
Publicado em 27 de dezembro de 2022 | 15:17
 
 
 

O americano de origem brasileira eleito para o Congresso dos Estados Unidos pelo Partido Republicano enfrenta, nesta terça-feira (27), um clamor crescente para que renuncie após admitir que inventou grande parte de seu currículo. George Santos, filho de imigrantes brasileiros nascido no Queens, ajudou o Partido Republicano a conseguir uma estreita maioria na Câmara de Representantes ao se eleger deputado por um distrito de Nova York nas eleições de meio de mandato de novembro.

Mas uma investigação do jornal "New York Times" colocou em dúvida aspectos sobre sua educação e experiência revelados durante a campanha eleitoral. Santos reconheceu, nessa segunda-feira (26), em duas entrevistas diferentes, que havia inventado partes significativas de seu currículo: confessou que não se graduou na universidade e que não trabalhou nos bancos Citigroup e Goldman Sachs, apesar de tê-lo afirmado antes.

Contudo, o político republicano se recusou a renunciar à sua cadeira no Congresso, que ele deve assumir em 3 de janeiro. "Não sou um criminoso", disse Santos ao "New York Post", despertando comparações com a declaração de 1973 "Não sou um ladrão" do então presidente americano Richard Nixon, que acabou renunciando ao cargo no ano seguinte.

Santos se desculpou por "embelezar" o seu currículo, mas algumas de suas justificativas beiram o absurdo, em particular a defesa de sua falsa afirmação de que era judeu. "Sou católico. Como soube que minha família materna tinha um passado judeu, eu disse que era 'judeu'", declarou ao "Post". Seus rivais democratas também cogitam a possibilidade de que Santos tenha mentido sobre suas finanças, o que suporia infringir a lei.

Vários membros do partido do presidente Joe Biden exigiram que o líder republicano da Câmara, Kevin McCarthy, convoque uma votação para expulsar Santos se ele não renunciar. "Sua confissão lamentável não deveria tirar o foco das preocupações sobre possíveis crimes e corrupção", tuitou Ritchie Torres, que integra a Câmara de Representantes por outro distrito de Nova York. "O Comitê de Ética DEVE investigar como ele fez dinheiro. Onde há fumaça, há fogo".

Seu colega democrata Eric Swalwell, que representa um distrito da Califórnia, acusou Santos de "enganar os eleitores de Long Island por todo o seu currículo", enquanto o estrategista democrata Kurt Bardella instou o republicano McCarthy a "exigir" a renúncia de Santos. "Santos não deve ocupar um cargo no novo Congresso", frisou.

Santos, que derrotou o democrata Robert Zimmerman em um distrito que se estende para ambos os lados de Queens e Long Island, é parte de uma "onda" republicana em Nova York que levou o partido à maioria de 222-212 assentos na Câmara dos Representantes em Washington.

Na semana passada, o deputado eleito publicou uma declaração de seu advogado acusando o "NYT" de "tentar manchar seu bom nome com estas acusações difamatórias". McCarthy foi perguntado por jornalistas no Congresso sobre as acusações, mas tem evitado responder até agora.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!