Guerra

EUA estão perto de esgotar capacidade de fornecer munições à Ucrânia

Americanos são fornecedores mais importantes de armas para o país desde o início do conflito com a Rússia, mas suas reservas estão chegando ao fim

Por Agências
Publicado em 08 de outubro de 2022 | 14:34
 
 
 

Os Estados Unidos logo serão incapazes de fornecer à Ucrânia, como vêm fazendo até agora, os sofisticados equipamentos essenciais para a defesa contra a Rússia, pois suas reservas estão chegando ao limite, especialmente munições.

Leia também:

Rússia nomeia novo comandante de guerra

Ganhador do Nobel faz apelo de paz na Ucrânia

Nobel da Paz vai para ativista Bialiatski e organizações da Rússia e da Ucrânia

Russo tem antebraço golpeado para não ser convocado para guerra

Washington é de longe o fornecedor mais importante de armas para a Ucrânia desde que a Rússia iniciou a invasão em 24 de fevereiro, com mais de 16,8 bilhões de dólares em assistência militar desde então.

Contudo, as reservas americanas de certos equipamentos estão "atingindo os níveis mínimos necessários para os planos de guerra e treinamento", e recuperar os níveis anteriores à invasão poderia levar anos, escreveu em uma análise recente Mark Cancian, especialista do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS, na sigla em inglês), com sede em Washington.

Os Estados Unidos estão "aprendendo lições" do conflito sobre as necessidades de munição em uma guerra muito grande, e que são "muito maiores" que o esperado, afirmou uma fonte militar americana que pediu anonimato.

As empresas armamentistas americanas foram obrigadas a reduzir sua produção de forma drástica na década de 1990, quando os Estados Unidos diminuíram os gastos militares após o colapso da União Soviética. Como resultado, o setor afundou e apenas alguns fabricantes sobreviveram.

Agora, o governo americano deve convencer a indústria a reabrir linhas de montagem e a retomar a produção de armas, como os mísseis terra-ar Stinger, que não são fabricados desde 2020.

Alguns equipamentos de guerra fornecidos pelos Estados Unidos se tornaram símbolos da guerra na Ucrânia, como o míssil antitanque Javelin, muito utilizado pelas forças de Kiev para deter o avanço russo à capital, e também os foguetes HIMARS, um sistema de artilharia de precisão que tem papel-chave na contraofensiva a Moscou no leste e no sul do país.

'Não haverá alternativa'

No entanto, as reservas de munição para o HIMARS, que dispara foguetes teleguiados por GPS conhecidos como GMLRS e com alcance de mais de 80 km, estão ficando escassas.

"Se os Estados Unidos enviarem um terço desse inventário à Ucrânia [como ocorreu no caso dos Javelin e dos Stinger], a Ucrânia receberia de 8 a 10 mil foguetes. Isso poderia durar por muitos meses. Mas, quando acabar, não haverá alternativa", disse Cancian, que trabalhou na área de fornecimento de armamento para o governo americano.

"A produção é de aproximadamente 5.000 por ano. No entanto, apesar de os Estados Unidos trabalharem para aumentar esse número, ao atribuir recentemente um orçamento para este fim, isso pode levar anos", opinou o especialista, ao acrescentar que alguns equipamentos mais antigos podem ajudar a preencher essa lacuna.

Os Estados Unidos já enviaram cerca de 8.500 mísseis Javelin a Kiev, mas a produção dessa arma é de apenas 1.000 por ano.

'O tempo que for necessário'

Washington encomendou 350 milhões de dólares desses mísseis em maio, mas, novamente, levará muitos anos para restabelecer as reservas.

Os Estados Unidos também forneceram mais de 800.000 projéteis de artilharia padrão Otan de 155 mm para Kiev, ou seja, três quartos do total entregue a todos os países ocidentais da aliança, de acordo com estatísticas oficiais do Pentágono.

A quantidade de projéteis que Washington entregou "está provavelmente próxima do limite que o país está disposto a oferecer sem risco para suas próprias capacidades de combate", assegurou Cancian.

Atualmente, a produção americana desse tipo de artilharia é de aproximadamente 14.000 projéteis por mês, mas o Pentágono anunciou que pretende aumentá-la para 36.000 em três anos. Isso, no entanto, levaria a uma produção anual de 432.000, menos da metade do que foi enviado à Ucrânia em sete meses.

A produção da indústria de defesa dos Estados Unidos está acelerando, garantiu na terça-feira Laura Cooper, vice-secretária adjunta do Departamento de Defesa para Rússia, Ucrânia e Eurásia.

"Os Estados Unidos vão continuar apoiando o povo da Ucrânia e fornecendo a assistência em segurança que necessitem para se defender pelo tempo que for necessário", afirmou. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!