alemanha

Ex-guarda nazista condenado à prisão morre aos 102 anos

Ele foi condenado por cumplicidade no assassinato de pelo menos 3.500 prisioneiros no campo de Sachsenhausen, ao norte de Berlim

Por Agências
Publicado em 26 de abril de 2023 | 15:55
 
 
 
normal

Josef Schütz, ex-guarda de um campo de concentração nazista - condenado em 2022 a uma pena de prisão - morreu aos 102 anos, disse à AFP uma fonte próxima ao caso, nesta quarta-feira (26). 

Este ex-suboficial das Waffen SS foi condenado em junho de 2022 por "cumplicidade" no assassinato de pelo menos 3.500 prisioneiros quando trabalhava, entre 1942 e 1945, no campo de Sachsenhausen, ao norte de Berlim. 

Schütz foi condenado pelo tribunal de Havel em Brandemburgo (leste) a cinco anos de prisão, tornando-se assim a pessoa mais velha condenada por cumplicidade em crimes cometidos durante o Holocausto. 

Seu advogado havia anunciado que iria recorrer, adiando a aplicação dessa penalidade pelo menos para este ano. 

Nunca durante as trinta audiências ele expressou arrependimento ao contar seu passado.

Após a guerra, Schütz foi transferido para um campo de prisioneiros na Rússia e depois se estabeleceu em Brandemburgo (região ao redor de Berlim), onde trabalhou como agricultor e depois como serralheiro.

Entre sua abertura em 1936 e sua libertação pelos soviéticos em 22 de abril de 1945, o campo de concentração de Sachsenhausen recebeu cerca de 200.000 prisioneiros, principalmente opositores políticos, judeus e homossexuais. 

Dezenas de milhares deles morreram, vítimas principalmente da exaustão devido ao trabalho forçado e às condições cruéis de detenção.

(AFP)
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!