ataque à imprensa

França investiga se morte de jornalista da AFP na Ucrânia foi crime de guerra

Arman Soldin, de 32 anos, foi morto quando um grupo de repórteres da AFP que o acompanhava, junto às tropas ucranianas, foi bombardeado com mísseis

Por Agências
Publicado em 10 de maio de 2023 | 16:21
 
 
 
normal

Uma investigação foi aberta nesta quarta-feira (10), na França, por crime de guerra após a morte, na Ucrânia, do jornalista da AFP Arman Soldin, informou a Procuradoria Nacional Antiterrorista francesa.

Soldin, de 32 anos, foi morto quando um grupo de repórteres da AFP que o acompanhava, junto às tropas ucranianas, foi bombardeado com mísseis Grad perto de Chasiv Yar, na bacia do Donbass (leste da Ucrânia). 

A investigação, a cargo do Escritório Central de Combate aos Crimes contra a Humanidade e os Crimes de Ódio, tem como objetivo determinar as circunstâncias da morte do jornalista, coordenador da equipe de vídeo da AFP na cobertura da guerra da Ucrânia. 

Soldin é pelo menos o décimo primeiro jornalista, guia ou motorista de jornalistas morto na Ucrânia desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro de 2022, segundo o registro das ONGs especializadas Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ). 

A Procuradoria Nacional Antiterrorista (Pnat, na sigla em francês) tem jurisdição sobre crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!