Manifestações

França registra novos confrontos em protestos contra reforma da Previdência

Governo quer aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 64 anos até 2030

Por Agências
Publicado em 28 de março de 2023 | 19:20
 
 
 

Novos confrontos eclodiram na França durante os protestos contra a reforma do sistema previdenciário promovida pelo presidente Emmanuel Macron, cujo governo convidou nesta terça-feira (28) os sindicatos para uma reunião na próxima semana, após negar um pedido de mediação inicial.

A participação diminuiu para 740 mil pessoas, segundo as autoridades, e chegou a "mais de dois milhões", segundo o sindicato CGT, no décimo dia de protestos desde janeiro. Os sindicatos convocaram uma nova manifestação para a quinta-feira, 6 de abril. 

As centrais sindicais são a ponta de lança da mobilização contra o adiamento da idade de aposentadoria de 62 para 64 anos até 2030, mas a decisão de Macron em 16 de março de aplicá-la por decreto radicalizou os protestos. 

Os distúrbios e incidentes entre manifestantes e as forças de segurança continuaram nesta terça-feira em dezenas de cidades de França, de Lille (Norte) a Toulouse (Sul), passando por Rennes (Oeste) e Lyon (Leste), mas em menor intensidade. Na capital, as forças de segurança prenderam 55 pessoas e realizaram 10 mil revistas, segundo a polícia.

Embora o governo, que mobilizou 13 mil agentes, tente criminalizar os protestos e minar seu apoio, a ação policial é alvo de críticas por parte de ONGs de direitos humanos e do Conselho da Europa. 

Imagens de batalha campal voltaram às primeiras páginas no sábado, durante os protestos contra uma barragem agrícola destinada ao agronegócio em Sainte-Soline (Centro), que deixou dois manifestantes em coma.

Em ambos os casos, "há um uso desproporcional da força que já havíamos denunciado durante os coletes amarelos", disse à reportagem Jean-Claude Samouiller, da ONG Anistia Internacional, lembrando o protesto social em 2018 e 2019. 

Reunião com Borne

Neste contexto, o governo e os sindicatos dizem buscar uma forma de acalmar os ânimos, mas são firmes em suas posições: as centrais sindicais querem a retirada ou a suspensão da reforma e Macron diz não. 

O líder do sindicato moderado CFDT, Laurent Berger, afirmou à noite que a primeira-ministra, Élisabeth Borne, havia convidado todas as centrais para uma reunião na próxima semana, em data a confirmar, à qual comparecerão.

Berger informou que serão apresentadas propostas, como buscar uma mediação para solucionar o conflito, um pedido que o porta-voz do governo, Olivier Véran, negou pela manhã, mas que o partido centrista MoDem, aliado de Macron, apoiou.

O presidente liberal está sob pressão. Seu governo defende que a reforma é fundamental para evitar um déficit no fundo de pensões, mas que precisa de apoio sindical e popular, além do apoio incerto do Parlamento. 

"Continua governando como se ainda tivesse uma maioria absoluta", alertou a cientista política Camille Bedock, para quem tudo leva a um embate "entre o poder e a rua", já que órgãos intermediários, como sindicatos e Parlamento não podem desempenhar seu papel.

À espera do parecer, em abril, do Conselho Constitucional sobre a sua validade, Macron tenta virar a página rapidamente com outras prioridades como a saúde, a educação e a garantia de uma maioria estável no Parlamento.

Mas os protestos continuam pesando. Na sexta-feira, o presidente liberal teve que abrir mão da visita do rei britânico Charles III, prevista para esta semana.

Enquanto isso, os sindicatos não jogam a toalha e ganham a participação de muitos jovens nas marchas. 

"Ainda sou muito jovem, mas a reação do governo (...) me deu vontade de lutar", disse à reportagem Simeon Ronzier, um estudante de 20 anos de Lille (norte). 

Em 2006, uma mobilização conseguiu que o governo da época retirasse um polêmico contrato de trabalho para jovens adotado por decreto.

Os protestos tomaram múltiplas formas em semanas: quedas na produção de eletricidade, 15% dos postos de gasolina sem combustível, trens e voos cancelados, transporte público em Paris interrompido e até a Torre Eiffel foi fechada nesta terça-feira. 

Os lixeiros de Paris decidiram encerrar na quarta-feira uma greve de três semanas, que deixou milhares de toneladas de lixo acumuladas nas ruas, mas com o objetivo de voltar à luta "com mais força", segundo o CGT.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!