aflição

Homem vai parar no hospital após barata entrar em seu ouvido enquanto dormia

O Homem de 38 anos só conseguiu atendimento por especialista na cidade próxima ao local de onde vive

Por O Tempo
Publicado em 02 de dezembro de 2022 | 12:37
 
 
 

Um colombiano de 38 anos foi parar no hospital após uma barata entrar em seu ouvido direito enquanto dormia. O caso aconteceu  no estado de Atlântico, na Colômbia. Ele sentiu forte incômodo e dores de cabeça.

Por volta de 2h da manhã de quarta-feira (30/11), o homem, que trabalha em uma loja no distrito de Santa Cruz, em Luraco, procurou o pronto-socorro do hospital municipal para que os médicos pudessem retirar o inseto do ouvido. Durante o tempo que a barata estava no ouvido dele, o inseto teria tentado escapar, mas pelo lado errado, roendo o interior do orgão, o que causou ferimentos no tímpano e no canal auditivo do homem.

O problema é que o hospital de Luruaco não tinha condições de atender ao lojista e apenas forneceu anestesia local para “neutralizar” os movimentos da barata, informou uma emissora local. Na sequência, o paciente foi encaminhado para uma unidade hospitalar de Sabanalarga, para a intervenção de um otorrinolaringologista.

O cirurgião Juan Acuña, que é ex-prefeito da cidade, utilizou um aparelho criado por ele (denominado otóclise) para extrair o inseto em aproximadamente cinco minutos.
“Talvez a posição em que ele estava enquanto dormia pode ter ajudado a barata a entrar facilmente, já que duto auditivo estava dilatado. Acredito que pode ter sido o fator que possibilitou a entrada do inseto, que foi dilacerando parte da membrana do tímpano ao tentar sair”, disse o médico à Radio.

Ainda conforme o médico, após o procedimento de retirada do inseto, que durou cinco minutos, foi constatado que a barata já estava morta.
Juan Acuña diz á emissora que a história do lojista de Luruaco poderia ter terminado de forma “trágica”, pois a presença da barata no ouvido poderia ter levado a uma forte infecção, especialmente após a perfuração do tímpano, o que teria comprometido o canal auditivo interno, possibilitando o surgimento de meningite.

Felizmente, o inseto foi extraído e o homem agora deve passar por tratamento especializado para curar a inflamação, as lacerações no ouvido e recuperar a parte danificada da membrana timpânica.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!