relatório

Morre uma mulher a cada dois minutos durante a gravidez ou parto, alerta ONU

Apesar disso, a nível mundial, a taxa de mortalidade materna caiu 34,3% entre 2000 e 2020

Por Agência
Publicado em 23 de fevereiro de 2023 | 08:46
 
 
 
normal

Uma mulher morre a cada dois minutos no mundo durante o parto ou por complicações vinculadas à gravidez, apesar da queda de um terço na taxa de mortalidade materna nas últimas duas décadas, alerta a ONU.

A gravidez continua sendo uma "experiência extremamente perigosa para milhões de pessoas no mundo que não têm acesso a serviços de saúde respeitosos e de boa qualidade", lamentou o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado.

De acordo com as agências da ONU que elaboraram o relatório, 287.000 mulheres morreram durante a gravidez ou o parto em 2020, o que significa uma a cada dois minutos. No ano 2000, o número chegou a 446.000.

O resultado de 2020 representa uma leve queda na comparação com as 309.000 mortes registradas em 2016, quando entraram em vigor os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Embora o documento destaque os progressos alcançados na redução do número de mortes entre 2000 e 2015, o texto alerta que, desde então, as conquistas permanecem estagnadas. Em alguns casos foram registrados retrocessos. 

A nível mundial, a taxa de mortalidade materna caiu 34,3% entre 2000 e 2020. O índice representa o número de óbitos maternos para cada 100.000 nascimentos vivos. No período, o país que registrou a queda mais expressiva (-95.5%) foi Belarus, com uma morte materna para cada 100.000 nascimentos em 2020, contra 24 em 2000. 

Do lado oposto está a Venezuela, com 259 mortes maternas para cada 100.000 nascimentos em 2020, contra 92 em 2000, um aumento de 182,8% da taxa de mortalidade materna. 

As estatísticas "mostram a necessidade urgente de garantir que todas as mulheres e meninas tenham acesso a serviços essenciais de saúde antes, durante e depois do parto. E que possam exercer plenamente seus direitos reprodutivos", enfatizou Tedros. 

O relatório mostra que entre 2016 e 2020 as taxas de mortalidade materna caíram em apenas duas das oito regiões da ONU: Austrália e Nova Zelândia (35%) e Ásia Central e do Sul (16%).

Falta de 900.000 parteiras 

Em duas das oito regiões das Nações Unidas - Europa/América do Norte e América Latina/Caribe - a taxa de mortalidade materna aumentou no período, 17% e 15% respectivamente. As mortes são registradas em sua maioria nas regiões mais pobres do mundo e nos países em conflito. 

Em 2020, quase 70% dos óbitos aconteceram na África subsaariana, onde a taxa de mortalidade é "136 vezes mais elevada que na Austrália ou Nova Zelândia", afirmou a autora do relatório, a doutora Jenny Cresswell.

Em nove países que sofrem graves crises humanitárias (Iêmen, Somália, Sudão do Sul, Síria, República Democrática do Congo, República Centro-Africana, Chade, Sudão e Afeganistão), a taxa de mortalidade materna foi o dobro da média mundial.

As principais causas das mortes são hemorragias agudas, hipertensão arterial, infecções relacionadas à gravidez, complicações provocadas por abortos realizados em ambientes inseguros e condições subjacentes que podem ser agravadas com a gravidez (como HIV/aids e malária).

Todas as causas podem ser prevenidas e tratadas, insiste a OMS, que também destaca a importância do atendimento pré-natal e dos cuidados pós-parto. A OMS também considera "fundamental" que as mulheres controlem sua saúde reprodutiva.

"Podemos e devemos fazer melhor com investimento urgente em planejamento familiar e cobrindo uma escassez global de 900.000 parteiras", afirmou a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a População, a doutora Natalia Kanem, em um comunicado.

O médico Anshu Banerjee, da OMS, afirmou que os números posteriores a 2020, que ainda não foram publicados, não apresentam um bom presságio devido aos efeitos da pandemia de Covid-19 e da crise econômica. (AFP) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!