realeza

Morte de Elizabeth II faz 1 ano: relembre o reinado mais longevo da Inglaterra

Governo britânico anunciou um projeto de memorial permanente para 2026, ano que marcaria o centenário de nascimento da soberana

Por O Tempo
Publicado em 08 de setembro de 2023 | 06:00
 
 
 

A rainha Elizabeth 2ª, que por sete décadas ocupou o trono britânico e se tornou um símbolo da monarquia em todo o mundo, morreu no dia 8 de setembro de 2022, aos 96 anos. Seu filho mais velho, Charles 3º, se tornou seu sucessor. Dois dias antes, Elizabeth deu posse à nova primeira-ministra britânica, Liz Truss

Ao longo do dia da morte, uma multidão de curiosos e admiradores se reuniu no entorno do Palácio de Buckingham, em Londres, para prestar homenagens àquela que foi chefe de Estado por 70 anos. O atestado de óbito diz que a monarca morreu de 'velhice'.

As preocupações com a saúde de Elizabeth vinham se avolumando meses antes de seu falecimento, principalmente desde que ela passou uma noite no hospital, em outubro de 2021, por motivos não totalmente esclarecidos pela monarquia. Desde então, ela cancelou a participação em diversos eventos públicos -inclusive alusivos à celebração de seu Jubileu de Platina- e mesmo reuniões virtuais em decorrência de "problemas de mobilidade".

Em fevereiro de 2022, chegou a receber o diagnóstico de Covid-19, mas se recuperou. Elizabeth passará para a história como a soberana britânica de mais longo reinado. Em julho de 2015, ela superou os 63 anos e cinco meses de trono da rainha Vitória (1837-1901), cuja coroa, no entanto, tinha um peso bem maior de um imenso império colonial, hoje não mais existente. 

Em junho de 2022, a rainha superou os 70 anos e 126 dias de reinado do tailandês Bhumibol Adulyadej, morto em 2016 -ela só ficou atrás de Luís 14, no posto por 72 anos e 110 dias, de 1643 a 1715; o francês, porém, se tornou soberano de fato aos 23 anos, tendo assumido o trono aos quatro.

Problemas na realeza

De maneira discreta, Elizabeth deixou como trunfo a preservação da confiança na coroa, ainda que a mídia tenha destrinchado - de forma quase impiedosa - as crises internas da família real em seu longo reinado.

Em 1992, em discurso comemorativo aos 40 anos de sua coroação, afirmou que aquele ano fora um "annus horribilis" (horrível, em latim), referindo-se aos divórcios quase simultâneos do príncipe Andrew, seu segundo filho, com Sarah Ferguson, e da princesa Anne, sua única filha mulher, com Mark Phillips.

A rainha já tivera tempo para se acostumar aos escândalos. Sua irmã, a princesa Margaret (1930-2002), fora amante de um plebeu divorciado e pai de dois filhos, Peter Townsend, casando-se depois com o fotógrafo Antony Armstrong-Jones, de quem se divorciou. Depois, passou a colecionar namorados.

O pior viria em 1996, com o divórcio de Charles e Diana Spencer, que no ano seguinte morreria em um acidente de carro, em Paris, junto com o companheiro Dodi al-Fayed. A comoção gerada pela morte de Lady Di, que recém-completou 25 anos, contrastou com os cinco dias de silêncio da rainha, o que fez despencar sua popularidade.

Mais recentemente, a chefe da monarquia britânica viu seu filho tido como favorito, o príncipe Andrew, envolvido em um escândalo ao virem à tona denúncias de que manteve relações sexuais com uma adolescente de 17 anos em 2001, vítima do esquema de tráfico sexual do bilionário Jeffrey Epstein.

Ocupação do trono

Elizabeth não nasceu para ocupar o trono. Sua vida mudou quando tinha dez anos. Seu tio, Eduardo 8º, renunciou para se casar com a socialite americana Wallis Simpson. O irmão dele, George 6º, tornou-se rei, e a princesa, caso não nascesse um irmão de sexo masculino, seria a sucessora da dinastia de Windsor.

Foi o que aconteceu na abadia de Westminster, em 2 de junho de 1953. Pela primeira vez, no Reino Unido, uma coroação era transmitida pela TV. Elizabeth assumia também como chefe de Estado de um grupo de países historicamente vinculado ao antigo Império Britânico, como Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

Com funções políticas apenas simbólicas - nomear como primeiro-ministro o líder do partido majoritário -, Elizabeth 2ª assistiu passivamente à desintegração do império e à transformação em república de antigos territórios coloniais. Foi um longo e contínuo sopro de história que não a afetou.

Ela discretamente criticou decisões do governo, como a invasão franco-britânica do Egito para recapturar o Canal de Suez, em 1956, o aumento do desemprego quando a premiê era Margaret Thatcher, nos anos 1980, ou, 20 anos depois, o número excessivo de militares que Tony Blair enviou ao Iraque e ao Afeganistão.

Apoiou em 1983 a Guerra das Malvinas - reconquista do arquipélago ocupado pela à época ditadura argentina. Orgulhava-se de ter seu filho Andrew entre os militares enviados ao Atlântico Sul.

Também, e sempre discretamente, preocupou-se com o desapego à monarquia do primeiro-ministro canadense Pierre Trudeau (1919-2000) e teria ficado furiosa quando os Estados Unidos invadiram, em 1983, Granada -um arquipélago do Caribe do qual Elizabeth 2ª era a chefe de Estado.

Um monarca britânico deve se manter institucionalmente de boca fechada. Foi uma das regras do jogo a que Elizabeth se sujeitou, para não se deixar contaminar pelo desgaste dos sucessivos gabinetes que testemunhou.

As poucas exceções a essa regra de comportamento político vieram com discrição, como o elogio que fez à União Europeia, ao visitar Berlim em junho de 2015, no mesmo momento em que o então primeiro-ministro David Cameron se dispunha a convocar um plebiscito pela saída do Reino Unido do bloco. Realizada no ano seguinte, a votação acabou levando ao Brexit.

Viajando com frequência como emissária de seu país e para compromissos apenas protocolares, é provável que ela tenha acumulado uma quilometragem maior que a do papa João Paulo 2º. A rainha ainda dividiu seu tempo com a participação, mesmo formal, em centenas de eventos de entidades beneficentes.

Vida pessoal

Foi casada com Philip, nobre greco-alemão de pouca fortuna, com quem teve três filhos e uma filha: além de Charles, o primogênito, a princesa Anne e os príncipes Andrew e Edward. Elizabeth disse ter se apaixonado pelo futuro duque de Edimburgo na primeira tarde que passaram juntos. Ela tinha 13 anos, e ele, 18. O pedido de casamento foi feito em 1946, e ela aceitou na hora, sem consultar os pais. O rei permitiu, desde que eles só anunciassem a união depois que ela completasse 21 anos.

Philip morreu em abril de 2021, dois meses antes de seu centésimo aniversário e pouco depois de passar por procedimentos cardíacos, para os quais ficara quatro semanas hospitalizado.

Antes da perda do marido, Elizabeth teve de enfrentar outra lacuna familiar. No início de 2020, o neto Harry, junto à mulher, Meghan Markle, separou-se da realeza, deixando de ser um membro ativo da monarquia. Posteriormente, a decisão se revelou uma crise maior: em entrevista a Oprah Winfrey, em março de 2021, o casal afirmou que havia preocupações sobre quão escura seria a cor da pele do primeiro filho deles, Archie, o que levou a acusações de racismo contra a família real  - Meghan é negra.

Ainda que Harry não tenha revelado publicamente o autor das declarações, Oprah descartou o envolvimento de Elizabeth 2ª e do príncipe Philip, já que teria insistido nos bastidores para saber quem fez tal comentário. A rainha, diante da repercussão explosiva da entrevista, disse que as acusações seriam "levadas muito a sério". "As questões levantadas, particularmente as de raça, são preocupantes."

Saúde 

A morte de Philip foi seguida de uma série de questões relacionadas à saúde de Elizabeth, que recebeu a recomendação de deixar de ingerir álcool diariamente. De acordo com a revista Vanity Fair, a rainha gostava de beber, quase todas as noites, um dry martíni. Antes, ela foi vista usando uma bengala pela primeira vez sem motivo médico específico em um grande evento público - em 2003 e 2004, após uma operação no joelho, ela já tinha aparecido com o acessório.

O ápice desse período foi a noite que passou em um hospital para, segundo o Palácio de Buckingham, realizar exames preliminares. A internação relâmpago só foi anunciada quando ela já havia retornado ao castelo de Windsor, mas foi o bastante para que ela cancelasse uma viagem oficial à Irlanda do Norte.

Esses problemas, no entanto, não a faziam se sentir velha. Aos 95 anos, recusou o prêmio de "Oldie of the Year" (velho do ano), concedido por uma publicação britânica a membros das gerações mais velhas que contribuíram com a sociedade, porque "uma pessoa é tão velha quanto se sente". O título não fará nenhuma falta à soberana do mais longo reinado da história do Reino Unido.

Memorial 

O governo britânico anunciou a criação de uma comissão encarregada de apresentar, em 2026, um projeto de "memorial permanente" em homenagem a Elizabeth II, falecida no ano passado aos 96 anos, após 70 anos de reinado. O ano de 2026 marcaria o centenário de nascimento da soberana.

Esta comissão, que será presidida pelo ex-secretário particular da rainha, Robin Janvrin, também deverá estabelecer um programa nacional de homenagens.

Para isso, vai se basear na longa vida de Elizabeth II a serviço do Reino Unido, e fará consultas à população. Em seguida, vai formular recomendações, que serão transmitidas ao rei Charles II e ao primeiro-ministro, informou o governo.

Devem participar da comissão membros da família real, personalidades políticas e outros especialistas. O governo britânico informou que poderia ajudar a financiar os projetos selecionados. (Folhapress/AFP) 

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!