cumpriu 85% da pena

Mulher que matou mãe por falsa doença e inspirou filme é solta após 7 anos

A história Gypsy Rose Blanchard serviu de inspiração para a série The Act (Hulu) e o filme Fuja (Netflix)

Por Agências
Publicado em 28 de dezembro de 2023 | 13:37
 
 
 

Gypsy Rose Blanchard, 32, condenada a 10 anos de prisão em 2016 pelo assassinato da própria mãe, Dee Dee Blanchard, foi libertada após sete anos em cárcere.

A norte-americana já havia recebido liberdade condicional em setembro. Agora, três anos antes da data prevista e com 85% da pena cumprida, o Departamento de Correções do Missouri (EUA) concedeu sua liberdade.

Gypsy foi condenada em 2016 após admitir à Justiça que encomendou a morte de sua mãe ao namorado, Nicholas Godejohn. Ele foi condenado à prisão perpétua por matar Dee Dee com 17 facadas.

Gypsy afirmou que matou a mãe por vingança, pelos anos em que Dee Dee inventou que ela era portadora de doenças crônicas que a obrigavam a usar cadeira de rodas. A genitora dizia que a filha tinha uma doença terminal e sofria de distrofia muscular, leucemia, asma, epilepsia e apneia do sono.

O distúrbio da mãe se chama síndrome de Munchausen. Esta é uma condição rara em que o genitor induz uma doença a criança para ganhar atenção e simpatia em troca dos cuidados prestados.

A história de Gypsy e Dee Dee teve repercussão na imprensa internacional e inspirou produções de TV, entre elas a série de true crime The Act (Hulu) e o filme Fuja (Netflix).

(Folhapress)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!