mundo corporativo

OCDE alerta sobre 'risco de evasão fiscal' das multinacionais

A análise foi realizada em 160 países e jurisdições e integra as declarações de atividades em cada país feitas por quase 7.000 empresas multinacionais

Por Agências
Publicado em 17 de novembro de 2022 | 11:05
 
 
 

A falta de coordenação internacional para impor uma reforma tributária às multinacionais acarreta "riscos de evasão fiscal" – alerta a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em um relatório divulgado nesta quinta-feira (17).

Assinado por uma centena de países sob mediação da OCDE no final de 2021, um acordo para introduzir um imposto mínimo a ser cobrado das grandes empresas e para permitir uma melhor distribuição da arrecadação está demorando para ser concretizado, devido ao bloqueio em algumas regiões, como a Europa.

"Novos dados da OCDE revelam o risco de evasão fiscal" por parte desses grandes grupos, alerta a organização em seu último relatório sobre estatísticas de impostos corporativos, publicado hoje.

A análise foi realizada em 160 países e jurisdições e integra as declarações de atividades em cada país feitas por quase 7.000 empresas multinacionais. 

De acordo com o documento, o rendimento médio auferido por um trabalhador é anormalmente superior nas jurisdições que aplicam uma taxa zero às empresas, ante as que aplicam uma taxa positiva.

O valor médio da renda de um funcionário é de US$ 2 milhões, onde a alíquota de imposto sobre o lucro é zero, em comparação com "apenas" US$ 300.000 em jurisdições que aplicam alíquotas acima de zero, calcula a OCDE. 

A entidade mostra que, se compararmos a renda de grupos localizados em centros de investimentos com as de empresas localizadas fora, surgem indícios de possíveis práticas de exploração inadequada entre os sistemas tributários. 

A situação é muito problemática, segundo a OCDE, caso se leve em consideração que o imposto corporativo é “uma importante fonte de receita tributária para a maioria dos países, especialmente nas economias de mercado em desenvolvimento, ou emergentes”. 

No total, representa uma média de 18,8% de toda arrecadação tributária na África, e 15,8%, na América Latina e Caribe, ante 9,6% nos países-membros da OCDE, que agrupa essencialmente os países desenvolvidos.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!