verão

Onda de calor põe o sudoeste dos EUA em alerta

Temperaturas que podem alcançar os 44,4ºC em algumas partes do condado de Los Angeles a partir de terça-feira

Por Agências
Publicado em 10 de julho de 2023 | 20:36
 
 
 

Uma preocupante onda de calor se estende, nesta segunda-feira (10), pelo sul da Califórnia, enquanto os recordes de temperatura não dão trégua em todo Estados Unidos, do Texas até Tampa. 

O Serviço Meteorológico Nacional (NWS, por sua sigla em inglês) emitiu alertas de calor excessivo para as regiões do sul e centro da Califórnia, com temperaturas que podem alcançar os 44,4ºC em algumas partes do condado de Los Angeles a partir de terça-feira.

"Planeje-se com antecedência para que possa se manter a salvo do calor! Certifique-se de que seus animais tenham acesso à sombra e água! Nunca deixe as crianças nem os animais de estimação em um automóvel estacionado!", aconselhou o NWS no Twitter. 

O fenômeno ocorre depois de que os recordes mundiais de temperatura foram rompidos na semana passada, segundo dados preliminares. 

Em 6 de julho, a temperatura média da superfície do planeta foi de 17,23ºC, um recorde não oficial, de acordo com a ferramenta Climate Reanalyzer da Universidade do Maine, que utiliza uma combinação de observações e modelos computadorizados. 

Os cientistas climáticos têm alertado sobre o impacto do aquecimento global causado pelo homem e advertiram que 2023 está a caminho de se tornar o ano mais quente desde que os registros começaram. 

No estado do Texas, que está experimentando um prolongado "domo de calor" no qual o ar quente fica preso na atmosfera como em um forno, a cidade de El Paso, fronteiriça com o México, quebrou oficialmente o recorde pela maior quantidade de dias consecutivos nos quais se observaram temperaturas próximas aos 100 graus Fahrenheit (37,7ºC), segundo o NWS. 

A marca é agora de 24 dias, superando uma onda anterior de 23 dias em 1994. 

Um alerta de calor também está em vigor até quarta-feira no sul da Flórida, na região perto de Miami. 

As temperaturas globais da superfície do planeta aumentaram em aproximadamente 1,1ºC desde 1880, o que tem provocado que o calor extremo seja mais frequente. 

As altas temperatuas são o risco meteorológico mais mortal nos Estados Unidos, segundo dados oficiais, com maior risco para os idosos, os jovens e os pacientes com doenças mentais e crônicas.  

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!