disputa

Quem são os possíveis substitutos de Liz Truss à frente do governo britânico

O ex-banqueiro Rishi Sunak é um dos favoritos para vencer o pleito entre membros do Partido Conservador

Por Agências
Publicado em 20 de outubro de 2022 | 14:39
 
 
 

A renúncia da primeira-ministra britânica, Liz Truss, nesta quinta-feira (20), levará o Partido Conservador a organizar uma votação interna até o final da próxima semana para designar seu substituto.

Confira abaixo os potenciais candidatos à sucessão: 

Rishi Sunak

O ex-ministro das Finanças foi derrotado por Truss na fase final do processo de eleição de um novo líder conservador no início de setembro, decidido pelas bases do partido. Era o candidato preferido dos deputados.

O ex-banqueiro bilionário de 42 anos é uma figura tranquilizadora que defende a ortodoxia fiscal. Durante sua campanha em agosto, alertou, repetidas vezes, que cortes de impostos não financiados piorariam a situação da inflação, em seu nível mais alto em décadas. Além disso, minaria a confiança dos mercados. Os fatos provaram que ele estava certo. 

Sunak tem, no entanto, um argumento importante que pesa contra ele: muitos deputados leais a Boris Johnson veem-no como o traidor, cuja renúncia em julho precipitou a queda do carismático e polêmico primeiro-ministro. 

Jeremy Hunt

O novo ministro das Finanças emergiu como aquele que tem as rédeas do poder diante do enfraquecimento de Truss, após se ver obrigada a desistir de seu plano econômico e nomeá-lo como chefe da pasta.

Foi ele que anunciou, na segunda-feira (17), a retirada espetacular de quase todas as medidas fiscais de Truss, que haviam causado pânico nos mercados. 

Este pouco carismático, mas muito experiente, ex-ministro das Relações Exteriores e da Saúde, de 55 anos, garantiu em recente declaração à rede BBC que, depois de duas tentativas fracassadas de se tornar líder do partido e chefe de governo - em 2019 e em julho deste ano - não pretende participar de novas disputas.

Penny Mordaunt

A ministra encarregada das relações com o Parlamento, que também concorreu em julho com Truss para suceder a Boris Johnson, era a favorita das bases conservadoras, mas foi descartada pelos deputados no último minuto.

Esta carismática ex-ministra da Defesa, de 49 anos, ficou sob os holofotes na segunda-feira, quando compareceu ao Parlamento no lugar de Truss para responder a oposição. Defendeu com desenvoltura a guinada na política econômica do governo. 

A hipótese de uma candidatura de Mordaunt-Sunak surgiu recentemente, e o jornal conservador "The Times" mencionou, na terça-feira (18), conversas não confirmadas nesse sentido. 

Boris Johnson

É uma possibilidade que circula na imprensa conservadora há meses: como uma fênix, o polêmico Johnson faria seu retorno, impondo-se como uma escolha óbvia. 

Sua vitória esmagadora nas eleições de 2019 deu aos conservadores uma maioria que não viam desde Margaret Thatcher na década de 1980. 

O herói do Brexit tem, contudo, grandes obstáculos a superar. Sua renúncia forçada em julho deste ano - após uma multiplicação de escândalos que incluem festas na sede do poder (Downing Street), violando as regras anticovid - continua fresca. Parte do atual desastre conservador entra na conta de Boris. 

Além disso, resta saber se Johnson, que agora, aos 58 anos, embarca em uma lucrativa carreira como palestrante ao redor do mundo, estaria disposto a reassumir a liderança da legenda dois anos antes de eleições legislativas, nas quais as pesquisas prometem uma vitória esmagadora da oposição trabalhista.

Ben Wallace

Entre os últimos favoritos, está o ministro da Defesa, que havia decidido não entrar na corrida para se dedicar à segurança do país.

Nos últimos dias, seu nome surgiu como uma possível figura de unidade do Partido Conservador. 

Ben Wallace, de 52 anos, pareceu descartar esse cenário, garantindo ao jornal "The Times", na terça-feira, que quer continuar à frente da pasta da Defesa.

Suela Braverman

Ela também foi candidata a Downing Street contra Truss. Ultraconservadora de 42 anos, foi nomeada ministra do Interior por Truss, encarregada em particular da questão da imigração ilegal.

Ela renunciou na noite de quarta-feira, explicando que havia cometido o erro de usar seu e-mail pessoal para enviar documentos oficiais.

(AFP)
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!