Guerra

Rússia reivindica conquistas no leste da Ucrânia

Os três municípios estão localizados ao sul da cidade de Bakhmut, controlada pelas forças ucranianas na região de Donetsk e que o Exército russo tenta conquistar há meses

Por Agências
Publicado em 07 de outubro de 2022 | 20:57
 
 
 

As forças russas reivindicaram nesta sexta-feira (7) suas primeiras conquistas no leste da Ucrânia após uma série de derrotas em várias frentes, mas Kiev parecia manter suas posições e pediu aos soldados russos que se rendessem.

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, em uma demonstração de confiança após uma série de sucessos alcançados durante sua contraofensiva, prometeu garantir "a vida, a segurança e a justiça" dos militares russos que optarem por se render. 

"Eles ainda podem salvar a Rússia da tragédia e o exército russo da humilhação", ou então "permanecerem na memória como ladrões, estupradores e assassinos", lançou, depois que várias derrotas no front pressionaram o presidente russo, Vladimir Putin, a mobilizar centenas de milhares de reservistas.

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, afirmou em seu discurso diário que o Exército havia reconquistado cerca de 2.500 km² de território controlado pela Rússia em sua última contraofensiva, lançada no fim de setembro. Moscou, por sua vez, anunciou que havia conquistado três localidades do leste da Ucrânia.

Os separatistas pró-Rússia que lutam ao lado das forças de Moscou na Ucrânia disseram ter tomado as cidades de Otradivka, Vesela Dolina e Zaitseve. 

O Ministério da Defesa russo já havia anunciado a captura de Zaitseve no dia anterior, em seu relatório diário. 

Os três municípios estão localizados ao sul da cidade de Bakhmut, controlada pelas forças ucranianas na região de Donetsk e que o Exército russo tenta conquistar há meses.

Combates nas ruas

Nesta sexta-feira, em Bakhmut, jornalistas da AFP ouviram disparos de artilharia pesada e múltiplos lançadores de foguetes no centro da cidade, que tinha cerca de 70 mil habitantes antes da guerra. 

Rajadas de metralhadoras também eram ouvidas de tempos em tempos. Um voluntário civil do grupo humanitário Vostok SOS, Eduard Skorik, 29 anos, disse à AFP que "combates de rua" ocorreram perto de sua casa. 

Ao sul da cidade, indo em direção às cidades capturadas pelos russos, podia-se ver uma fumaça preta causada por projéteis. 

As forças ucranianas também relataram vitórias territoriais nesta sexta-feira, como a cidade de Grekivka, na região de Luhansk (leste), segundo o governador Sergei Gaidai. 

Na região ocupada de Kherson, sul, cinco civis morreram e outros cinco ficaram feridos em um bombardeio ucraniano que atingiu um ônibus com civis a bordo que atravessava uma ponte, indicou o oficial pró-Rússia Kirill Stremousov. As forças ucranianas atacaram as pontes naquela região várias vezes para impedir o abastecimento logístico das forças russas. 

A presidência ucraniana deu conta de um ferido em um bombardeio russo na região de Zaporizhzhia (sul), onde 11 pessoas morreram na véspera.

Risco de 'Armagedom' nuclear

O líder dos separatistas pró-Rússia na região de Donetsk (leste), Denis Pushilin, disse que a "situação mais difícil" era registrada perto de Lyman, um importante centro ferroviário. 

Segundo ele, o Exército russo consolida uma nova linha de defesa perto de Kreminna, mais ao leste, que as forças ucranianas "testam dia e noite". "Acho que temos a chance de reunir forças e começar a libertar territórios com novas reservas", acrescentou, anunciando o envio de reforços. 

A Rússia reivindicou na semana passada a anexação de quatro regiões que controla pelo menos parcialmente na Ucrânia, após "referendos" denunciados pela ONU, o governo ucraniano e seus aliados ocidentais. 

Após as ameaças de Vladimir Putin de recorrer à arma nuclear para defender os territórios anexados, seu par ucraniano mencionou ontem "ataques preventivos" contra a Rússia. 

A presidência ucraniana rapidamente recuou e afirmou que Zelensky se referia  a "sanções" preventivas, e não a bombardeios, mas o Kremlin o denunciou como um "chamado para iniciar uma nova guerra mundial".

O presidente americano, Joe Biden, alertou para o risco de um "Armagedom" nuclear pela primeira vez desde a Guerra Fria, mas a declaração foi minimizada hoje pela Casa Branca.

Os Estados Unidos "não têm indicações de que a Rússia esteja se preparando de forma iminente para usar armas nucleares", disse a secretária de imprensa, Karine Jean-Pierre.

O Fundo Monetário Internacional, por sua vez, anunciou nesta sexta-feira uma ajuda de emergência de 1,3 bilhão de dólares à Ucrânia, para atender às "necessidades urgentes da balança de pagamentos". (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!