Guerra

Russos atacam Ucrânia enquanto referendos organizadas pelo Kremlin continuam

As forças russas também atacaram outras áreas na Ucrânia, danificando edifícios residenciais e infraestrutura civil

Por Agências
Publicado em 24 de setembro de 2022 | 11:58
 
 
 

As forças russas lançaram novos ataques em cidades ucranianas neste sábado, 24, enquanto os referendos orquestrados pelo Kremlin continuam nas regiões ocupadas da Ucrânia para pavimentar o caminho para sua anexação por Moscou.

O governador de Zaporizhzhia, Oleksandr Starukh, disse que os russos atacaram instalações de infraestrutura na cidade do rio Dnieper, e um dos mísseis atingiu um prédio de apartamentos, matando uma pessoa e ferindo outras sete. As forças russas também atacaram outras áreas na Ucrânia, danificando edifícios residenciais e infraestrutura civil.

O Ministério da Defesa britânico disse que a Rússia estava atacando a barragem de Pechenihy no rio Siverskyy Donets, no nordeste da Ucrânia, após ataques anteriores em uma barragem em um reservatório perto de Kryvyi Rih, causando inundações no rio Inhulets.

"As forças ucranianas estão avançando rio abaixo ao longo de ambos os rios", disseram os britânicos. "À medida que os comandantes russos ficam cada vez mais preocupados com seus contratempos operacionais, eles provavelmente estão tentando atacar as comportas das barragens, a fim de inundar os pontos de passagem militares ucranianos".

Em meio aos combates, a votação continuou em referendos organizados pelo Kremlin em áreas ocupadas - votos que a Ucrânia e seus aliados ocidentais descartaram como uma farsa sem força legal. Na votação de cinco dias nas regiões leste de Luhansk e Donetsk e Kherson e Zaporizhzhia no sul que começou na sexta-feira, oficiais eleitorais acompanhados por policiais levaram cédulas para as casas e montaram mesas de votação móveis, citando razões de segurança. As votações devem terminar na terça-feira, quando a votação será realizada nas assembleias de voto.

A votação também foi realizada na Rússia, onde os refugiados e outros moradores dessas regiões votaram.

O presidente Vladimir Putin disse que Moscou atenderá à vontade dos moradores, uma indicação clara de que o Kremlin está prestes a anexar rapidamente as regiões assim que a votação terminar. A Ucrânia e o Ocidente disseram que a votação foi uma tentativa ilegítima de Moscou de cortar uma grande parte do país, que se estende desde a fronteira russa até a península da Crimeia. Um referendo semelhante ocorreu na Crimeia em 2014, antes de Moscou a anexar, uma medida que a maior parte do mundo considerou ilegal.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, exortou os ucranianos nas regiões ocupadas a minar os referendos e compartilhar informações sobre as pessoas que estão conduzindo "esta farsa". Ele pediu aos moradores que tentem evitar a mobilização de Moscou anunciada na quarta-feira e sabotar a ação do exército russo se forem cercados.

"Se você entrar no exército russo, sabotar qualquer atividade do inimigo, impedir qualquer operação russa, forneça-nos qualquer informação importante sobre os ocupantes - suas bases, quartéis-generais, armazéns com munição", disse ele em seu discurso noturno. "E na primeira oportunidade, mude para nossas posições." (Estadão Conteúdo)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!