Olhem para cima

Saiba como os EUA detectaram mais óvnis após ajuste em radar de defesa

Em apenas dez dias, quatro objetos foram localizados e derrubados pelos EUA. O último neste domingo (12), quando outro objeto voador não identificado, óvni, foi abatido ao sobrevoar o Lago Huron, na fronteira com o Canadá

Por Agências
Publicado em 13 de fevereiro de 2023 | 14:38
 
 
 
normal

Ainda que os EUA aleguem não descartar a hipótese de que houve uma intensificação dos mecanismos de espionagem da China, a recente crise diplomática aberta pelo episódio dos supostos balões espiões levou Washington a rever o seu próprio sistema de defesa. No fim de semana, o Norad, sigla em inglês para Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte, informou ter ajustado seu sistema de radar para torná-lo mais sensível para objetos menores, mais lentos e distintos dos aviões e mísseis que preocupam o Pentágono.

Com isso, o número de objetos identificados - e, por vezes, abatidos - saltou. Em apenas dez dias, quatro objetos foram localizados e derrubados pelos EUA. O último neste domingo (12), quando outro objeto voador não identificado, óvni, foi abatido ao sobrevoar o Lago Huron, na fronteira com o Canadá.
"Analisamos mais de perto nosso espaço aéreo nessas altitudes e aprimoramos nosso radar, o que pode explicar, em partes, o aumento no número de objetos que identificamos na semana passada", disse a secretária-adjunta para assuntos de segurança das Américas, Melissa Dalton.

Segundo o general Glen VanHerck, líder do Norad, os balões -que os EUA dizem ser instrumentos de espionagem, e a China alega serem artefatos de pesquisa meteorológica- são difíceis de detectar pelo tamanho e pela forma. "São objetos muito, muito pequenos que produzem um movimento muito baixo." A detecção do primeiro balão de Pequim, na primeira semana do mês, fez com que políticos americanos criticassem o sistema de defesa antiaérea do país. O Pentágono havia dito que, nos últimos anos, quatro balões semelhantes haviam sido identificados sobrevoando o país.

As alterações, porém, já abrem outro desafio para o Norad. Com um volume muito maior de procura, o órgão agora precisa entender quais sinalizações de seu radar são um mero ruído e quais são potenciais ameaças que valem a pena serem perseguidas pelo sistema e, se for o caso, derrubadas. (Folhapress)

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!