Folhapress
@superfcoficial
23/08/19
20h01

Polêmica

Ministério Público pede bloqueio de R$ 9,6 mi de Figueirense e dirigentes

MP de Santa Catarina pede bloqueio do valor para pagamento de salários atrasados dos atletas

Nenhum dos pedidos dos jogadores foi atendido pela diretoria — Foto: Matheus Dias - Figueirense
Folhapress | @superfcoficial
23/08/19 - 20h01

O Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina pediu nesta sexta-feira (23) o bloqueio de R$ 9,6 milhões do Figueirense para pagamento de salários atrasados dos atletas.

A ação movida pede o bloqueio de bens de 12 réus,  entre dirigentes do clube, como o presidente Cláudio Honigman, a empresa Elephant e seu administrador, Cláudio Vernalha,  até que a quantia pedida seja atingida.

O Ministério Público também quer que o Figueirense pague todos os tributos devidos, como FGTS, verbas rescisórias e indenizações. O órgão fiscalizador abriu três inquéritos contra o clube desde 2015. São 177 ações trabalhistas contra o time catarinense.

O Figueirense afirma que os dirigentes e o departamento jurídico do clube não foram notificados da ação.

Na última terça (20), os jogadores do time se recusaram a entrar em campo para enfrentar o Cuiabá, pela Série B do Campeonato Brasileiro. Eles reclamam de repetidos atrasos nos pagamentos de salário, direito de imagem e recolhimento de contribuições. A equipe sub-20 e sub-23 também entraram em greve logo depois.

O Figueirense é uma sociedade anônima desde 2018 e o futebol é administrado pelo grupo Elephant.

"Não começou de uma hora para a outra. São reiterados atrasos. O clube deixa passar três meses e paga um salário. Depois espera quatro meses e paga dois. Chega a hora em que o atleta fica com a faca no pescoço", afirma o advogado Filipe Rino, representante legal do grupo.

Pessoas próximas aos jogadores disseram à Folha que alguns deles venderam carros para pagar contas acumuladas. Há casos de atrasos de pensão alimentícia, e garotos das categorias de base estão ameaçados de despejo por não receberem a ajuda de custo.

Antes da partida entre Cuiabá e Figueirense, apenas três jogos do Campeonato Brasileiro não aconteceram por WO. Um deles, entre Coritiba e Santos, em 1989, pela primeira divisão, não teve relação com atrasos de pagamentos.

Em 2014, pela Série D, os jogadores do Grêmio Barueri se recusaram a jogar contra o Operário do Mato Grosso. Reclamavam de quatro meses de salários atrasados. Três anos depois, o Mogi Mirim deu WO em jogo diante do Ypiranga, pela Série C, também em protestos contra falta de pagamentos.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000