OPINIÃO

Ave Jorge!

Entrevista com Jorge Vercillo 

Por Paulo Navarro
Publicado em 10 de junho de 2024 | 07:51
 
 
 

A rápida passagem do tempo começa a ficar gloriosa, mas irritante. Imaginem, Jorge Vercillo, “aquele menino”, comemora 30 anos de carreira em BH, dia  15 de junho no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes. E nosso ilustre convidado de hoje insiste na resposta ao tempo, até no título do show:  “Jorge Vercillo 30 Anos de Música” ou “JV30”.

Show que, com certeza, será emocionante, viajando em companhia de composições como “Homem Aranha”, “Final Feliz”, “Monalisa, ”Ela Une Todas as Coisas”, “Que Nem Maré” e “a ideia é trazer a nostalgia dos melhores e mais românticos momentos da vida de cada pessoa que for assistir”, promete o próprio Vercillo.

São quinze álbuns inéditos e quatro DVDs, um Disco de Platina, três Discos de Ouro e uma nomeação ao Grammy Latino, além de duas indicações (2012 e 2013). Mas Jorge não é nostálgico e romântico 24h/24h, como poderão ler a seguir. Ele comenta a vida como ela é, como ela caminha, cheia de “ditadura, ganância, intolerância e violência”. Adora BH; de Inhotim ao Palácio das Artes, passando pelo Palácio de Versailles e de Vercillo. Afinal, o mundo cruel e o tempo implacável são como a saudade que, por sua vez, é que nem maré. Boa leitura, ótima segunda e vice-versa.  

Salve, Jorge! Vercillo é italiano que dá samba? 

Dá samba sim. Vercillo foi uma família de antigos mouros africanos migrados para a Itália. Imagina que mistura… 

Falemos da chuva e do tempo bom. 30 anos já? Parece que foi em 1994...  Já conseguiu conhecer todo o Brasil? 

Conheço quase todo o Brasil e amo muito esse país, não por um nacionalismo tradicional, mas por empatia mesmo com a natureza, com as pessoas, com a energia desse lugar. Levando em conta o que estamos vendo acontecer no Oriente Médio e no leste europeu, muita ditadura, ganância, muita intolerância, quanta violência…  Como diz a música: "Aqui ainda parece o melhor lugar". 

E Belo Horizonte? 

Adoro Belo Horizonte, seus restaurantes, suas reservas florestais. Adoro Inhotim e Brumadinho. Da última vez que estive aí, visitei meu parceiro Flávio Venturini. Fizemos uma “live” que ficou registrada na internet. 

E o Palácio das Artes? Palácio de Vercillo? 

Esse teatro é especial. O próprio bosque em volta dele traz um clima maravilhoso. Super bem localizado e com muita tradição de música boa. 

Quem abandonar bares e celulares vai vivenciar o que no Palácio das Artes? 

 “JV30” é MPB e POP ao mesmo tempo, é intimista e dançante. Verá um espetáculo com o resumo das músicas mais importantes para o público de Jorge Vercillo. Tem alguns “medleys” pelo excesso de músicas que marcaram. Estou sentindo muito prazer em realizar esse show. Acho que será percebido da mesma forma aí em BH!! É sempre maravilhoso cantar no Palácio das Artes, Palácio de Versailles e Vercillo. 

Trinta anos são mais que uma geração. O que mudou no Brasil e na MPB? Quem é teu público? 

Muitas gerações de famílias que se formaram ouvindo meu som. Casais que começaram a se relacionar, transar, namorar e até criar seus filhos tendo minhas músicas como lembrança nos momentos principais. Isso é muito bom, não é? Vejo crianças, jovens, adultos e meia-idade no meu show. É um público muito plural, na maioria feminino, mas com muitos músicos amantes do jazz e da MPB também. 

O Trem da tua Vida é trem de doido, com final feliz? 

Com certeza é trem doido sim. Mas sou mais doido ainda por não beber, não fumar nem usar drogas. Ainda acredito em discos voadores e acho que a realidade que está à nossa volta é a coisa mais doida que podemos imaginar sem precisar de artifícios. 

Quem é “o último romântico”? Você ou Lulu Santos? 

Eu acho que a minha escrita e as minhas melodias têm mais a ver com lirismo do que romantismo. Mas todo romântico é um sonhador e sou muito sonhador sim. Um sonhador que é cria de uma MPB fantástica como a música que Lulu Santos, Gilberto Gil, Caetano Veloso e outros gênios criaram. Hoje sou um elo de continuidade disso tudo como outros que estão vindo também… 

Por falar em Lulu Santos e Vinicius de Moraes, a vida continua vindo em ondas ou que nem maré? 

Exatamente isso. Cada momento é diferente, nunca mais o mesmo ou a mesma onda, mas os movimentos soam parecidos e repetitivos. 

É verdade que você é recordista de temas de novela na TV Globo, com 23 canções? 

Não sou recordista em quantidade, mas músicas que marcaram muito no ouvido e no coração das pessoas, junto com os personagens, foram várias. "Encontro das Águas" com a Glória Pires, que fez o papel de duas gêmeas, Raquel e Ruth, em "Mulheres de Areia", "Praia Nua" em "Tropicaliente", "Fênix" em "A Casa das Sete Mulheres", "Raios da Manhã" em "O Fim do Mundo", "Ciclo" em "A Lua Me Disse", "Sensível Demais" em "Chocolate com Pimenta", "Final Feliz" em "Quanto Mais Vida Melhor" e por aí vai… 

Jorge 1994 e Jorge 2024? O que mudou na consciência em geral à sua volta? 

Eu não tinha ideia em 1994 de que vivíamos dentro de um ser onisciente e empático como o planeta Terra. Vivemos entre religiões que nos infantilizam nos mantendo eternamente dependentes de um Pai Celestial que, segundo a Bíblia, resolveria os nossos problemas e que comanda tudo no mundo. Esse conceito enraizado em cada um de nós nos mantém completamente passivos e alheios a toda ajuda e participação positiva que podemos dar uns aos outros…  

 Agora, a pergunta ficou mais séria... 

Isso nos parece realidade olhando bem friamente com nossas capacidades cognitivas hoje em dia? Um Deus ciumento que pune e guarda rancor de um povo para outro? Um Deus que privilegia uns em detrimento de outros? Isso parece até piada, né? Vivemos hoje presos entre conceitos arcaicos como esse e, do outro lado, uma ciência ainda pragmática e materialista…. No entanto, essa ciência tem nos salvado, como nas vacinas da pandemia. Será uma revolução quando a ciência perceber (de forma científica e comprovada) o infinito de possibilidades que a metafísica nos traz. Espero que esse dia não demore muito para a continuidade da existência de nossa espécie nessa quinta raça ariana que Helena Blavatsky conceituou. 

E Jorge 2025? 

“I have a dream”, como Luther King disse: “eu tenho um sonho”. Então, vibro por um Jorge Vercillo cada vez mais comprometido com a expansão da consciência do planeta, com ideias que podem ajudar a reverter nossa situação climática caótica, ideias como agricultura natural, permacultura.  

Permacultura? 

“Cultura permanente”! Isso pode mudar nossa realidade, assim como nos livrarmos de dogmas religiosos e políticos, nos livrarmos de preconceitos infundados e irracionais, nos livrarmos de polarizações políticas e de ódios a tudo que nos parece desigual. Muito disso conseguimos ajudar com músicas e ideias, no entanto, John Lennon foi morto por causa disso, Gandhi também, Cristo foi crucificado, Martin Luther King emboscado, Edward Snowden exilado. 

Pessimismo permanente? 

Ao velho sistema de poder e dominação não interessa que o povo se liberte de suas próprias grades internas de revanchismo. O sistema precisa dividir o povo para continuar dominando e escravizando de forma tão sutil que nem percebemos na maioria das vezes. 

 

 

 

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!