Paleontologia

Tiranossauro é parente mais próximo da galinha

Estudo comparou proteínas extraídas de um osso de dinossauro com as de ave e concluiu que proximidade como animal do mundo moderno é maior do que com o jacaré


Publicado em 25 de abril de 2008 | 19:39
 
 

SÃO PAULO. A comparação entre proteínas encontradas em um fóssil de tiranossauro rex e material coletado de 21 espécies de animais existentes no mundo atual indicam que o gigantesco predador pré-histórico tem como parentes vivos mais próximos as a aves, como galinhas e avestruzes e, como primos mais distantes, os jacarés.

O trabalho, de pesquisadores das universidades Harvard e Estadual da Carolina do Norte, nos EUA, está publicado na edição desta semana da revista "Science". Segundo seus autores, a análise confirma, em nível molecular, a ligação entre dinossauros e aves, uma conexão que já havia sido feita por razões de semelhança anatômica.

Os dinossauros foram extintos há 65 milhões de anos, provavelmente como resultado do impacto de um asteróide com a Terra, na região onde fica atualmente a Península de Yucatán, no México.

A proteína usada no estudo veio de colágeno extraído de um fêmur de tiranossauro de 68 milhões de anos, descoberto nos EUA em 2003. A presença do colágeno preservado no osso fossilizado foi detectada em 2005. Os autores do trabalho atual argumentam que o resultado que obtiveram indica que o colágeno detectado realmente era do dinossauro, e não fruto de contaminação posterior.

Os pesquisadores que analisaram o tecido tiveram muito pouco material com que trabalhar: não foi possível extrair DNA, mas apenas 89 aminoácidos - as peças com que se montam proteínas. Por conta disso, não foram capazes de encaixar o tiranossauro com mais precisão dentro da árvore evolutiva dos vertebrados.

No artigo publicado na "Science", os autores dizem que a extração de mais moléculas de organismos extintos poderá ajudar a determinar parentescos em áreas críticas da árvore evolutiva. Segundo eles, a análise das proteínas pode ser usada para preencher todo tipo de lacuna na árvore evolutiva. Mas mostra que os métodos clássicos, com base em estruturas físicas, também são precisos.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!