tensão

Coreia do Norte lança mísseis enquanto Washington e Seul iniciam manobras

Exército norte-coreano alertou que os exercícios militares de Coreia do Sul e os Estados Unidos seriam vistos como uma declaração de guerra

Por Agência
Publicado em 13 de março de 2023 | 07:54
 
 
 

A Coreia do Norte lançou dois mísseis estratégicos de cruzeiro de um submarino, em uma demonstração de força antes dos exercícios militares conjuntos entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos, informou a mídia estatal norte-coreana nesta segunda-feira (13). Um submarino disparou as armas no mar na costa leste da cidade norte-coreana de Sinpo na manhã de domingo, de acordo com a agência de notícias estatal KCNA. 

O exército sul-coreano, citado pela agência Yonhap, confirmou ter detectado um lançamento de míssil, sem dar mais detalhes, segundo a agência de notícias Yonhap. A KCNA disse que o lançamento foi bem-sucedido e os mísseis atingiram seus alvos designados perto da costa leste da península coreana. 

Fotos e vídeos divulgados pela mídia estatal norte-coreana mostraram o submarino "8.24 Yongung" e um míssil voando do mar para o céu, seguido por uma trilha de fumaça e fogo. Mas analistas expressaram dúvidas sobre o progresso do programa de submarinos da Coreia do Norte.

Park Won-gon, professor da Universidade Ewha de Seul, considerou que as imagens da mídia estatal sugerem que o míssil foi disparado da superfície da água e não com a nave submersa. "Portanto, não faz sentido atirar de um submarino porque não há sigilo", disse Park à AFP. 

A Coreia do Norte alertou que os exercícios militares de Washington e Seul seriam vistos como uma "declaração de guerra". Os dois países aliados começaram seus maiores exercícios conjuntos em cinco anos nesta segunda-feira. 

Segundo a KCNA, o lançamento "mostra a invariável" determinação da Coreia do Norte em enfrentar uma situação em que as forças "do imperialismo americano e sua marionete Coreia do Sul mostram cada vez mais claramente que são manobras" contra Pyongyang. Acrescentou que o lançamento permitiu “verificar a atual postura operacional dos meios de dissuasão nuclear em diferentes espaços”.

Guerra real 

Em uma declaração separada, o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte disse que os Estados Unidos estão "conspirando" para convocar o Conselho de Segurança da ONU para discutir os direitos humanos no país comunista, coincidindo com as manobras. A Coreia do Norte "denuncia amargamente o vil esquema de 'direitos humanos' dos Estados Unidos como a expressão mais intensa de sua política hostil" em relação a Pyongyang. 

Washington e Seul intensificaram sua cooperação militar diante das crescentes ameaças militares e nucleares do Norte, que aumentou seus testes de armas nos últimos meses.  Os exercícios desta segunda-feira, chamados de Escudo da Liberdade, devem durar 10 dias e vão focar na "mudança do ambiente de segurança" devido à agressividade norte-coreana, segundo os dois aliados.

Os militares sul-coreanos revelaram este mês que, juntamente com as forças especiais dos EUA, estavam conduzindo exercícios militares que incluíam a simulação de ataques de precisão contra as principais instalações norte-coreanas, à frente do Freedom Shield. 

Os exercícios enfurecem Pyongyang, que os vê como exercícios para uma invasão, ao mesmo tempo em que aponta que seus programas nuclear e balístico são de autodefesa. "Pyongyang desenvolveu capacidades militares e quer testá-las, e gosta de usar a cooperação entre Washington e Seul como desculpa", disse Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ewha. 

No ano passado, a Coreia do Norte declarou ser uma potência nuclear "irreversível" e lançou um número recorde de mísseis.  Na semana passada, o líder Kim Jong Un ordenou que seus militares intensificassem seus exercícios em preparação para uma "guerra real". (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!