Open Mind Brazil

A ampliação do e-commerce e o mercado digital

Integrar canais virtuais e presenciais e colocar o consumidor no centro das decisões

Por Lúcio Júnior
Publicado em 21 de abril de 2021 | 03:00
 
 
 

A pandemia e o isolamento social impactaram de forma significativa o varejo brasileiro e, para minimizar esses efeitos no faturamento, muitas organizações precisaram acelerar sua transformação digital para criar plataformas de e-commerce.

A necessidade e o aumento na confiança sobre os pagamentos online levaram 7,3 milhões de brasileiros a comprar na internet pela primeira vez no primeiro semestre de 2020. Vale destacar ainda que, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mais de 42,2 milhões de pessoas já fizeram pelo menos uma compra online, e o faturamento mensal brasileiro já ultrapassa R$ 22 bilhões por ano.

Diante deste contexto, muitos acreditam que as lojas virtuais podem concorrer com os pontos físicos e ser uma ameaça ao mercado. A verdade é que, em vez de atrapalhar as vendas no mundo off-line, o e-commerce e todas as demais iniciativas digitais contribuem para o aumento de vendas nas lojas físicas, além de estimularem e darem força ao mercado.

E é aí que você tem a oportunidade de lucrar muito mais: aliar sua estrutura física a uma loja essencialmente virtual. A integração possibilita que a expedição se torne muito mais ágil, que a ruptura de vendas na própria loja física seja reduzida e, é claro, mantém a credibilidade e a própria confiança da sua empresa.

Na batalha pela atenção do cliente, sairão na frente as lojas que conseguirem criar uma experiência diferenciada, atrelando canais virtuais e presenciais. Para colocar o consumidor no centro das decisões, uma estratégia que vem sendo usada por grandes organizações é introduzir tecnologias para entregar uma experiência mais conveniente com vendas por WhatsApp e Drive-Thru, por exemplo.

A ideia é que o cliente tenha a possibilidade de comprar onde ele quiser - inclusive online - dentro da loja física. Acredito que essa estratégia, mais conhecida como omnichannel, será o futuro do varejo.

E aqui vai uma dica de ouro: para as lojas que já têm marca física, se adequar ao e-commerce pode ser mais simples, já que não precisarão investir em tanta publicidade para que sejam reconhecidas. Uma loja que nasce virtual precisa de mais cuidado com marketing digital.

Investir nessa modalidade é essencial para aparecer como a melhor resposta para a pergunta que o seu potencial cliente fizer nas buscas pela internet. Caso você venda produtos específicos, de um nicho mais definido do mercado, a chance de aparecer melhor posicionado é ainda maior.

Além disso, existem ações importantes que beneficiam o comprador e ajudam seu e-commerce, como um bom canal de atendimento, uma condição especial para o cliente na segunda compra ou, até mesmo, um cartão fidelidade.

O momento não vem sem desafios. O atendimento ao cliente, logística, segurança de dados e desconfiança do consumidor são algumas das preocupações enfrentadas pelas empresas neste cenário. Afinal, não basta apenas ter uma loja na web. É preciso garantir que o site de comércio eletrônico atenda às necessidades do seu cliente e se destaque entre as concorrentes para alavancar seu negócio no cenário digital.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!