Duda Gonçalves
@otempo
28/11/21
05h00

Em baixa

De decisivo a reserva, Rodolfo completa 100 jogos pelo América

Jogador foi decisivo em 2020, mas caiu de rendimento nesta temporada e perdeu espaço no time

O atacante do América tem 100 jogos pelo clube e 33 gols marcados — Foto: Mourão Panda / América
Duda Gonçalves | @otempo
28/11/21 - 05h00

No dia em que Rodolfo completou 100 jogos pelo América, sua presença em campo passaria despercebida, não fosse pela falta sofrida no Estádio Nabi Abi Chedid, neste sábado (27). Retrato de uma temporada em baixa, bem diferente daquela que o torcedor americano viu em 2020, quando o atacante foi um dos destaques do time. Performances antagônicas de um mesmo atleta.

Rodolfo chegou ao América no fim de 2019, para compor o elenco na temporada seguinte, e logo em sua estreia pelo time, no duelo contra a Caldense pelo Campeonato Mineiro, mostrou seu cartão de visitas e anotou um gol. No jogo seguinte contra o Tupynambás, outro. O torcedor comemorou a chegada do sonhado ‘9’ para o time. E ele não decepcionou, a princípio.

Temporada inesquecível

Rodolfo foi um dos artilheiros do América no Campeonato Mineiro de 2020 com quatro gols, atrás apenas de Ademir, com cinco. Foi dele também a liderança da artilharia na Copa do Brasil, – onde ajudou o time a chegar à semifinal de forma inédita – com seis gols. Na Série B, também esteve entre os goleadores, com sete tentos.

As atuações decisivas, como na vitória do América por 1 a 0 sobre a Ferroviária, onde marcou gol nos acréscimos, e levou a decisão da Copa do Brasil para os pênaltis, credenciaram Rodolfo à titularidade no time. Iniciou 47 jogos, e esteve como suplente em cinco. Foram 17 gols marcados e sete assistências.

A temporada em alta fez com que, em setembro do ano passado, a diretoria do clube adquirisse o jogador em definitivo, e renovasse o contrato até dezembro de 2023.

Queda de rendimento

Com um calendário apertado e uma temporada curta entre o fim do ano passado e início deste ano, Rodolfo foi alvo de críticas da torcida devido à sua forma física nas primeiras rodadas do Campeonato Mineiro. Apesar disso, o atacante seguiu balançando as redes, e conquistou a liderança isolada da artilharia do Estadual.

Porém, em maio dava indícios de que o ano não seria tão memorável quanto o passado. O atacante perdeu dois pênaltis decisivos, contra o Atlético, no segundo jogo da final do Estadual, e Criciúma, no primeiro jogo da terceira fase da Copa do Brasil – competição na qual o Coelho foi eliminado.

Rodolfo chegou a ficar 90 dias sem marcar gols. No período, disputou 16 jogos, cerca de 1000 minutos em campo. A quebra de jejum só veio no empate em 1 a 1 com a Chapecoense, em Chapecó, pelo Campeonato Brasileiro. Mas a história voltou a se repetir, e desta vez com uma seca ainda maior. Desde então, o atacante não marcou mais: 103 dias, completos neste sábado (27), contra o Red Bull Bragantino.

Preterido

Se na última temporada e início desta, foi titular absoluto, hoje não se pode dizer o mesmo. Com Lisca, Rodolfo viveu o auge no América, mesmo quando as coisas não iam bem, como no início da Série A.

O treinador foi embora e deu lugar a Vagner Mancini, que cinco jogos após sua chegada, colocou Rodolfo no banco de reservas. Voltou aos 11 iniciais apenas uma vez, diante do Red Bull Bragantino – partida seguinte a qual havia marcado gol –, mas a performance não agradou.

Vagner Mancini foi embora, e coube a Marquinhos Santos dar outra chance ao camisa 9. Voltou ao time titular contra o Santos, na estreia do treinador. No jogo seguinte, contra o Fortaleza, nova oportunidade. Exibições sugestivas para voltar ao banco de reservas. Com o novo técnico, entrou no decorrer de quatro partidas e sequer foi utilizado no clássico contra o Atlético.

Se na última temporada colecionava minutos em campo como titular, hoje o cenário é de contraste entre a alta minutagem no Estadual e a baixa na Série A. Se havia bolas na rede para distribuir, como quem chegou a 30 participações diretas em gols pelo América, hoje faltam até toques na bola – em média de 19 por partida (em toda a temporada).  No Brasileirão, tem média de 1,2 finalizações por jogo e 0,3 chutes no gol.

Na próxima terça-feira (30), Rodolfo pode ganhar nova oportunidade no time titular com Marquinhos Santos, devido à ausência de Mauro Zárate, que vai cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo.

Enquanto isso, o torcedor ainda espera ver Rodolfo desempenhar na elite do futebol brasileiro, e posteriormente em um torneio continental, como na Copa Sul-Americana, o que fez na última temporada. O camisa 9 tão sonhado passou despercebido nesta temporada, mas será necessário no ano seguinte.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000