Folhapress
@otempo
05/07/20
13h34

Manifesto

F1 retorna com protesto contra o racismo, mas sem a adesão de seis pilotos

Na véspera da corrida, em uma reunião entre os pilotos, não houve consenso sobre a realização do gesto, fato que incomodou Lewis Hamilton

Lewis Hamilton liderou protesto antes do GP da Áustria — Foto: Reprodução / F1
Folhapress | @otempo
05/07/20 - 13h34

Minutos antes do início do GP da Áustria neste domingo (5), na abertura da temporada 2020 da F-1, todos os pilotos da categoria fizeram um protesto pedindo o fim do racismo. Dos 20 competidores, seis deles, no entanto, não se ajoelharam durante a execução do hino.

O gesto tem se repetido em várias manifestações pelo mundo desencadeadas após a morte do americano George Floyd, um homem negro que morreu após um policial branco se ajoelhar sobre o seu pescoço, em Minneapolis, nos EUA, no dia 25 de maio.

Na véspera da corrida, em uma reunião entre os pilotos, não houve consenso sobre a realização do gesto, fato que incomodou Lewis Hamilton, 35, o único negro no grid da F-1.

"Eu descrevi o cenário em que o silêncio é geralmente cúmplice. Mas acho que faz parte de um diálogo, de pessoas tentando entender, porque ainda existem pessoas que não entendem completamente o que está acontecendo e qual é a razão desses protestos", afirmou o hexacampeão.

Max Verstappen e Charles Leclerc, dois dos seis pilotos que não se ajoelharam, justificaram suas posições neste domingo. Além deles, Antonio Giovinazzi, Carlos Sainz, Kimi Raikkonen e Daniil Kvyat não repetiram o gesto que também ficou notabilizado quando o quarterback Colin Kaepernick iniciou atos antirracismo na NFL, em 2016.

O holandês da equipe Red Bull afirmou que está comprometido com a luta contra o racismo, mas acredita "que todos têm o direito de se expressar de cada vez e da maneira que lhes convém."

Já o monegasco da Ferrari disse que "o que importa são fatos e comportamentos em nossa vida em vez de gestos formais que poderiam ser vistos como controversos em alguns países."

Em sua página oficial no Twitter, a F-1 divulgou vídeo com o momento do protesto e escreveu que "como indivíduos, escolhemos nossa própria maneira de apoiar a causa. Como um grupo de pilotos e uma família F1 mais ampla, estamos unidos em seu objetivo."

Apesar de não se ajoelharem, todos os pilotos usaram uma camisa com a inscrição "Fim ao Racismo". A única exceção foi Hamilton, usou a frase "Vidas negras importam."

O inglês, que nesta temporada busca o seu sétimo titulo na F-1 para igualar o recorde do ex-piloto alemão Michael Schumacher, tem cobrado ações para que a principal competição do automobilismo mundial seja mais inclusiva.

A pedido dele, a Mercedes adotou a cor preta em seus carros em vez do prata, tradicionalmente usado pela escuderia alemã, como parte da campanha antirracista liderada por Hamilton na categoria.

Após pressão do britânico, a F-1 também anunciou nos últimos dias a criação do programa "We Race as One" ("Nós Corremos como Um"), com ações voltadas para a inclusão de pessoas de diferentes etnias, gênero e orientação sexual nas pistas e também no quadro de funcionários das equipes.

O domínio do hexacampeão o ajudou a se engajar cada vez mais na luta contra o racismo e protagonizar cenas como a vista em Londres no mês passado, quando ele participou de manifestações desencadeadas pela morte de George Floyd.

"Estou confiante de que a mudança virá, mas não podemos parar agora", escreveu o piloto em suas redes sociais após marchar pelas ruas da capital inglesa.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000