Nunca mais se viram

Acerto de contas: Andreas von Richthofen diz procurar pela irmã Suzane há 4 anos

Único herdeiro dos pais Manfred e Marísia, mortos pela filha e pelos irmãos Cravinhos em 2002, Andreas quer ajustar pendências judiciais e financeiras da família

Por Da redação
Publicado em 20 de abril de 2024 | 13:08
 
 
 

O irmão de Suzane Von Richthofen, Andreas Von Richthofen, diz que procura pela irmã há pelo menos quatro anos para que os dois acertem pendências judiciais e financeiras relacionadas ao passado da família. Os pais, Manfred e Marisia, foram assassinados pela filha e pelos irmãos Cravinhos em outubro de 2002, quando Andreas tinha 15 anos.

"Tô procurando ela pela Justiça. Nós temos ações judiciais pendentes. Eu até encontraria na Justiça, no fórum", disse Andreas à equipe de produção do programa Tá na Hora, do SBT, que o localizou em um ponto de ônibus na cidade onde vive - que não foi informada.

"Estou procurando ela faz uns quatro anos já. Nós temos assuntos pendentes na Justiça. Bragança Paulista que tá morando?", questionou o rapaz.

Apesar do questionamento, ele se surpreende ao descobrir que a irmã está solta. "Ela não está presa? Achei que ela estava presa", disse Andreas, após receber a informação do produtor.

"Ela deveria procurar, né? Deveria me procurar porque nós temos assuntos, ela tem o dinheiro dela também, né. Tem que ver o que vai dividir aí do que sobrou lá atrás" afirmou.


Herdeiro cheio de dívidas

Único herdeiro da fortuna valiosa da família,  Andreas Von Richthofen, com 36 anos, acumula dívidas que chegam a R$ 500 mil e abandonou vários imóveis dos pais.

À época do crime, Andreas ganhou o direito de herdar todo a fortuna dos pais, avaliada em R$ 10 milhões, já que a irmã, outra possível herdeira, foi quem arquitetou o assassinato do casal.

Entre os bens da herança estavam carros, seis imóveis, terrenos, a mansão que a família morava que foi vendida em R$ 1,6 milhão e dinheiro em aplicações no banco. Mas, apesar disso, o jovem teria abandonado tudo e não quitado tributos, como o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e condomínios dos imóveis. 

Reportagem divulgada em março mostrou que Andreas vive isolado e em situação precária

Suzane foi acusada e condenada por planejar o crime, executado pelo então namorado dela, Daniel Cravinhos, e o irmão dele, Cristian Cravinhos, que também foram presos. Eles foram soltos e cumprem a pena em regime aberto.

Andreas também afastou qualquer hipótese de reaproximação com os envolvidos na morte dos pais. Daniel Cravinhos já disse à imprensa que se arrepende do crime cometido e que gostaria de pedir perdão ao ex-cunhado.

"Não vou servir chazinho para os caras. Fica difícil. Marretaram a cabeça do seu pai e você vai dançar ciranda para o sujeito depois?", questiona.

No final do ano passado, Suzane alterou o nome e suprimiu o 'Von Richthofen' da identidade. A mudança aconteceu em dezembro, no Cartório de Registro Civil de Angatuba, no interior de São Paulo, no dia em que ela firmou a união estável com o médico Felipe Zechini Muniz. Os dois tiveram uma filha em janeiro deste ano.

Andreas e Suzane nunca se encontraram desde que Suzane foi presa em 2002. (Com informações da Agência Estado)

 

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!