ALÍVIO

Moradores de Macacos esperam retomada do turismo com fim do risco de rompimento de barragem da Vale

Mais de 100 famílias foram retiradas de suas casas em 2019 por risco de serem atingidas por 3,3 milhões de metros cúbicos de rejeitos de barragem em nível 3 de emergência

Por Raíssa Oliveira
Publicado em 15 de maio de 2024 | 12:48
 
 
 
normal

Mais de cinco anos desde a evacuação de 200 pessoas no distrito de São Sebastião das Águas Claras, também conhecido como Macacos, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, moradores e comerciantes da localidade vivem o sentimento de alívio e expectativa de aquecimento do turismo, após o anúncio da conclusão da descaracterização da barragem B3/B4 da Vale, na Mina Mar Azul. Desde 2019, quando sirenes tocaram e mudaram a vida dos moradores, a população convivia com o risco de parte da comunidade ser engolida pela lama de rejeitos da mineradora e com a queda do turismo na região - marcada por trilhas, cachoeiras e pousadas com uma vista inesquecível - que registrou redução de até 80% no número de visitantes. Com o fim da ameaça, a população espera agora reafirmar o local como ponto turístico. 

Conforme informou a Vale nessa segunda-feira (13 de maio), o local da barragem está em processo de validação pelos órgãos competentes e ainda passará por obras complementares, com implantação de drenagem e revegetação. Depois disso, será determinada pela Defesa Civil de Nova Lima a liberação da Zona de Auto Salvamento (ZAS), até então evacuada, e as 27 famílias que seguem em moradias temporárias poderão voltar aos seus imóveis de origem. Porém, já não existe mais risco associado ao local, já que foram removidos os 3,3 milhões de metros cúbicos de rejeitos que estavam armazenados na barragem. 

Presidente da Associação Comunitária de Macacos (ACM), Marcelo Bonfanti conta que o fim do risco trouxe alívio e esperança à comunidade. “Quando recebemos essa notificação, o que sentimos é que a comunidade ficou aliviada por não ter mais essa barragem aqui em cima. Essa barragem trouxe transtornos, em 2019, para a comunidade e sofrimento”, afirma. Segundo Bonfanti, a população agora aguarda a retomada do turismo na cidade, que recebia média de 5 mil turistas todos os fins de semana antes da evacuação. Atualmente, a média de visitantes no período é de pouco mais de mil pessoas, o que representa uma redução de até 80% em alguns casos. 

“Hoje a população se sente aliviada e pede que retorne ao que era antigamente, na área do turismo e gastronomia. O sofrimento psicológico não passa, para muitos moradores virou um trauma, a repercussão negativa na área do turismo foi grande para os comerciantes, que fecharam. Os que resistiram hoje estão felizes por não ter mais a barragem e ansiosos com a retomada do turismo”, conta. Para isso, Bonfanti cobra investimentos e revitalização do distrito. “Nós aguardamos que Macacos seja reconstruída, que o acesso ao distrito, por meio da AMG-160, seja revitalizado. Esperamos que os cinco mil turistas voltem a frequentar a área de cachoeiras, pousadas e restaurantes de São Sebastião das Águas Claras”, pontua. 

Questionada, a Vale afirmou que para a requalificação do comércio e turismo e fortalecimento do serviço público municipal, transferência de renda, além de demandas das comunidades atingidas, em dezembro de 2022, foi assinado um acordo no valor de R$ 500 milhões para ações de reparação no distrito de Macacos. O acordo foi firmado em audiência no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, com a participação do Ministério Público de Minas Gerais, Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, com interveniência e anuência do Município de Nova Lima e do Ministério Público Federal. 

Procurada, a Prefeitura de Nova Lima informou, por nota, que tem atuado no amparo e desenvolvimento do distrito de São Sebastião de Águas Claras. “A retomada passa por várias vertentes. Vale ressaltar que existe um TAC que regula a retomada de Macacos e a atuação da prefeitura é no sentido de maximizar os impactos positivos do que for acordado”. Leia a nota na íntegra ao fim da matéria. 

Medo ainda assombra 

Apesar do alívio, para muitos, o som da sirene, mesmo que em cenário de testes, se tornou sinônimo de “gatilho para angústia” dos momentos vividos em 16 de fevereiro de 2019. Passava das 22 horas do dia e a chuva caia sobre o distrito de São Sebastião das Águas Claras, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, quando o som de uma sirene perturbou o silêncio dos moradores. O barulho levava uma mensagem jamais esquecida por quem mora na região: “Atenção, atenção. Essa é uma situação real de emergência de rompimento de barragem. Abandonem imediatamente suas residências, siga pela rota de fuga até o ponto de encontro e permaneçam até que sejam repassadas novas instruções". 

O relato é de Daniela Costa, de 44 anos. Moradora do distrito, ela foi indenizada pela mineradora e teve que deixar sua residência meses após a sirene por risco do imóvel ser atingido em caso de rompimento. Apesar do alívio com a notícia da conclusão da descaracterização da barragem B3/B4, ela afirma que é impossível esquecer os momentos de pânico. “Todo mundo que está em Macacos convive com um fantasma. Dá um alívio, mas parece algo irreal. A gente acaba descrente por conta do que ocorreu, ninguém sabe o quão seguro está”, afirma. 

Daniela ainda relata a tristeza de ter perdido amigos e vizinhos, que acabaram deixando suas casas por medo. “A Vale comprou muitas propriedades depois do que aconteceu. A gente anda pelas ruas e vê dezenas de placas de ‘propriedade privada da Vale’. Não tem como esquecer, ali era onde moravam amigos, parentes e vizinhos que deixaram suas propriedades após a sirene”, conta.

Segundo a Vale, após o toque das sirenes, cerca de 1,3 mil pessoas assinaram acordos com a empresa, totalizando mais de R$ 200 milhões pagos. A mineradora afirma que todas essas indenizações individuais seguiram parâmetros e critérios estabelecidos no Termo de Compromisso firmado entre a Vale e a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais. Com relação aos imóveis adquiridos pela Vale, a empresa garante que está sendo elaborado um plano de destinação que levará em consideração a particularidade de cada propriedade. 

A expectativa agora é que 27 famílias, que seguem em moradias temporárias, possam voltar aos seus imóveis de origem nas próximas semanas após cronograma elaborado pela mineradora. Segundo a Prefeitura de Nova Lima, seguindo a legislação vigente, o processo depende agora da validação dos órgãos fiscalizadores e a Agência Nacional de Mineração deve notificar o município nos próximos dias sobre a completa descaracterização da estrutura. A Defesa Civil fará vistoria na área onde existia a barragem a fim de acompanhar o andamento da fase de reintegração ao meio ambiente.

Leia a nota da Prefeitura de Nova Lima: 

A Prefeitura de Nova Lima tem atuado no amparo e desenvolvimento de Macacos. A retomada passa por várias vertentes. Vale ressaltar que existe um TAC que regula a retomada de Macacos e a atuação da prefeitura é no sentido de maximizar os impactos positivos do que for acordado. Podemos citar:
 
1. Está sendo executado um “Place Branding”, que é um processo de reorganização da identidade e do posicionamento de Macacos para sua população, sua estruturação e o mercado turístico. Projeto este dividido em 4 etapas; 
• Fase 1 – Digital Demand e Demand Supply:  ferramentas está que avalia e metrificam as pesquisas nos mecanismos de busca. 
• Fase 2 – Análise do lugar: Esta é uma etapa de exploração e compreender a complexidade e riqueza que o lugar oferece. 
• Fase 3 – Desenvolvimento da Estratégia: Organização de workshop com a população local, com o objetivo de definir a ideia central da marca, através da cocriação, discussão e identificação de potenciais projetos a desenvolver. 
• Fase 4 – Desenvolvimento do plano de ativação: Momento de organizar ações e iniciativas necessárias para a implementação da marca-lugar através de um plano que envolve tanto a dimensão conceitual, quanto a dimensão física. 
Salientamos que hoje tal ação se encontra na Fase 3. 
 
2. São Sebastião das Águas Claras tem grande potencial turístico a ser explorado, corroborando com a conexão natureza, trilhas, cachoeiras, pousadas, gastronomia e etc. Essa harmonia é o seu grande potencial, além do distrito está bem próximo da capital Belo Horizonte.  Os turistas poderão conhecer o aconchegante distrito de Macacos, além de poder saborear uma culinária muito típica da região.
 
3. Também está sendo planejado um site para o distrito visando à comunicação da atividade turística. A prefeitura planeja a entrega de uma ferramenta sofisticada que permita divulgar os atrativos, conectar as experiências online/off-line e também melhorar o relacionamento entre turistas e negócios locais.
 
4. A sinalização prevista no acordo foi negociada para otimizar a indicação de acesso ao distrito, considerando a restrição de recursos do plano e a sinalização de atrativos e equipamentos está sendo planejada pela prefeitura.
Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!