NO BAIRRO CASTELO

Justiça mantém preso homem que estava com adolescente que sumiu em BH: 'Risco à integridade sexual'

Decisão acolheu pedido do Ministério Público de Minas Gerais contra o suspeito

Por Isabela Abalen
Publicado em 10 de junho de 2024 | 10:42 - Atualizado em 10 de junho de 2024 | 15:00
 
 
 

A Justiça mineira decidiu por manter preso o homem de 38 anos que estava com a adolescente Mariana Muniz Pereira, de 16, durante os três dias (de 6 a 8 de junho) que ela ficou desaparecida em Belo Horizonte. O suspeito estava proibido de se aproximar da garota por uma medida protetiva em seu desfavor. Em audiência de custódia, a juíza Juliana Miranda Pagano acolheu um pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) que entende que o homem representa "perigo para a integridade sexual da ofendida". 

Na decisão desta segunda-feira (10 de junho), a juíza completou, ainda, que o suspeito, se livre, é um risco à "integridade física e psicológica" da menina. Para para converter a prisão em flagrante do homem em prisão preventiva, ela usou como argumento o documento da medida protetiva. 

A ordem da Justiça, expedida pela Vara Especializada em Crimes Contra Criança e Adolescente, descreve um relacionamento abusivo com a adolescente, com denúncias de "violência psicológica, manipulação, isolamento e outros tipos de violências piores, possivelmente sexual". O agressor deve aguardar o julgamento em um presídio do Estado. 

Homem confessou que estava com a Mariana

A adolescente sumiu no bairro Castelo, na região da Pampulha, na quinta-feira (6), e foi reencontrada sábado (8), em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de BH. De acordo com o registro da ocorrência, o suspeito já era alvo dos investigadores do desaparecimento de Mariana. Ele foi abordado pelos policiais no bairro Serrano, quando confessou que estava com a menina, entregando a sua localização. 

O homem é investigado por ter se relacionado com a vítima, mesmo ela sendo menor de idade. Essa relação teria motivado a família da adolescente a pedir a medida protetiva contra o suspeito. A ferramenta é um meio de proteção utilizado em casos de violência doméstica, abusos e perseguição. A medida foi expedida pela Vara Especializada da Criança e Adolescente de Belo Horizonte. 

A prisão é, até o momento, por ele ter descumprido a medida protetiva. A adolescente foi ouvida pela Polícia Civil, na presença de seu representante legal, e entregue à família. O inquérito segue em sigilo, como define o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

Maioria dos desaparecidos em MG é meninas adolescentes, alerta Polícia Civil

Meninas de 12 a 17 anos são as que mais somem do rastro das famílias em Minas Gerais. As adolescentes motivaram 6.738 registros de desaparecimento nos últimos cinco anos. É como se, por dia, três deixassem de retornar às residências.

O número abre exceção à regra não só ao ocupar o ranking à frente dos meninos da mesma idade, mas do total de desaparecimentos no Estado. Entre as motivações dos “sumiços”, estão violência doméstica e conflitos familiares. Entenda em matéria completa clicando AQUI.

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!